'Vale Tudo' teve 'Quem matou?', censura e estafa de Gloria Pires

André Carlos Zorzi - O Estado de S.Paulo

Relembre o elenco de novela que volta no Globoplay e marcou carreira de Beatriz Segall, a Odete Roitman

Regina Duarte, Beatriz Segall e Gloria Pires em 'Vale Tudo'

Regina Duarte, Beatriz Segall e Gloria Pires em 'Vale Tudo' Foto: Globo / Divulgação

A novela Vale Tudo, exibida originalmente entre 16 de maio de 1988 e 6 de janeiro de 1989, está de volta, disponível na plataforma Globoplay a partir desta segunda-feira, 20.

A trama escrita por Gilberto Braga, Aguinaldo Silva e Leonor Bassères trouxe o famoso "Quem matou Odete Roitman (Beatriz Segall)?" e também contava com destaque das personagens Raquel (Regina Duarte) e Maria de Fátima (Gloria Pires), 

Outros atores conhecidos estavam no elenco, como Renata Sorrah (Helena), Antonio Fagundes (Ivan), Lilia Cabral (Aldeíde), Marcos Palmeira (Mário Sérgio), Carlos Alberto Riccelli (César), Reginaldo Faria (Marco Aurélio) e Cassia Kis (Leila).

Antonio Fagundes, Regina Duarte e Carlos Alberto Riccelli em cena de 'Vale Tudo'

Antonio Fagundes, Regina Duarte e Carlos Alberto Riccelli em cena de 'Vale Tudo' Foto: Globo / Divulgação

"A novela não é sobre trambiques, e sim sobre ética - se vale a pena ser honesto, se quem é honesto consegue vencer. Não quero fazer uma denúncia e sim divertir, mas toda história tem uma moral", explicava Gilberto Braga ao Estadão no mês de estreia de Vale Tudo.

Parte da trama girava em torno da empresa fictícia TCA (Transcapital Aerolinhas). Segundo Braga, a ideia inicial era outra, mas foi mudada para a área de aviação por sugestão de Daniel Filho.

"Mudamos o negócio da família rica de indústria de guerra para uma grande empresa de aviação. Quando nós fomos pesquisar, vimos que essa história de indústria de armas é tão nojenta que não teríamos como conviver bem com os personagens", explicava.

Personagens de Beatriz Segall e Reginaldo Faria na fictícia empresa de aviação TCA em 'Vale Tudo'

Personagens de Beatriz Segall e Reginaldo Faria na fictícia empresa de aviação TCA em 'Vale Tudo' Foto: Globo / Divulgação

Na sequência, prosseguia: "Mais da metade deles vive do trabalho na fábrica, e não seria possível mostrá-los como pessoas boas, há muita sujeira nessa história".

Sobre idas e vindas de personagens em destaque na trama, justificava: "Em 180 capítulos de uma novela, gosto de trocar de protagonista de vez em quando, tento jogar com todo mundo, porque há personagens interessantes, tanta gente com histórias importantes..."

Quem matou Odete Roitman?

O mistério que 'parou o Brasil' foi reveleado apenas no último capítulo de Vale Tudo. Leila, vivida por Cassia Kis, foi a responsável pela morte da personagem mais lembrada da carreira de Beatriz Segall, atriz que morreu aos 92 anos, em setembro de 2018.

Cena em que Leila (Cassia Kis) atirava em Odete Roitman (Beatriz Segall) foi gravada em 6 de janeiro de 1989.

Cena em que Leila (Cassia Kis) atirava em Odete Roitman (Beatriz Segall) foi gravada em 6 de janeiro de 1989. Foto: Reprodução de 'Vale Tudo' (1989) / Globo

Em 12 de dezembro de 1988, quase um mês antes do fim da novela, foram distribuídas cerca de 50 cópias do roteiro do capítulo final para a equipe de produção, atores e diretores envolvidos na gravação.

"No roteiro, há um buraco negro, com apenas uma indicação: 'cena de três a quatro minutos'. Essa cena revelará o nome do assassino ou o destino de Odete Roitman e será distribuída, gravada, sonorizada e editada no mesmo dia em que irá ao ar", relatava o Estadão à época.

A gravação das oito cenas com a sequência que mostrava quem matou Odete Roitman foi gravada no próprio dia do último capítulo da novela ir ao ar, 6 de janeiro, uma sexta-feira, entre as 10h e as 14h30.

VEJA TAMBÉM: Os atores de Vale Tudo 30 anos depois da estreia

Globo / Divulgação
Ver Galeria 33

33 imagens

À época, especulava-se que cinco versões haviam sido escritas, mas uma semana antes a final foi escolhida e guardada sob sigilo na sala do produtor Evaldo Lemos. 

Dennis Carvalho, diretor-geral de Vale Tudo, entrou na ilha de edição por volta das 15h para buscar a fita com o capítulo final da novela, que só saiu de suas mãos por volta das 20h30, minutos antes de a atração ser exibida.

"Imagine se um ator fundamental quebrasse o pé ou se faltasse luz durante a edição. Não teríamos o capítulo! Mas valeu a pena", contava o diretor Ricardo Waddington após ter dado tudo certo.

Apesar de na época a produção de Vale Tudo e a Globo terem dado a entender que ninguém do elenco sabia quem, de fato, teria matado Odete Roitman até a reta final das gravações, a atriz Cassia Kis revelou que sabia que seria Leila cerca de três meses antes.

"Eu tanto guardei segredo que passaram-se dois, três meses eu falei assim: 'Mas será que é a Leila mesmo que matou?'", contou, em entrevista à CBN em 2018. Leia mais sobre o fato aqui.

Estafa de Gloria Pires durante Vale Tudo

A atriz Gloria Pires chegou a ter problemas com estafa  por conta de sua interpretação de Maria de Fátima. 

"É pesado. É difícil. Você fica colocando uma coisa ruim para fora o tempo inteiro, cultivando ódio e rancor das coisas, e eu não sou assim", contou ao Estadão, enquanto estava nas gravações de Vale Tudo.

Gloria Pires como Maria de Fátima em 'Vale Tudo'

Gloria Pires como Maria de Fátima em 'Vale Tudo' Foto: Globo / Divulgação

Em seguida, continuava: "Eu procuro não trazer [a personagem da novela 'para casa'] e acho, inclusive, que esta minha estafa é também por causa disso, porque é uma briga constante."

"Cada cena que faço, meu coração dispara. As coisas que ela diz, que ela faz. Ela é muito louca, na realidade. Aí eu chego em casa e não relaxo. Muitas vezes, de madrugada, sem sono, eu vou varrer a casa", explicava.

Maria de Fátima aparecia em cenas de traição e aplicava o 'golpe do baú' ao longo da trama, o que fez com que, na época, surgissem relatos de que Gloria Pires precisaria de seguranças para andar pelas ruas e não ser hostilizada - o que era negado por ela.

Censura em Vale Tudo

Diversas cenas entre as personagens Laís (Cristina Prochaska) e Cecília (Lala Deheinzelin) sofreram com a censura federal à época e precisaram ser reescritas. As duas viviam um romance homossexual na trama.

"Na época, não houve preconceito. O tema era herança num casamento gay, inspirado no caso do Jorge Guinle Filho. As personagens foram muito bem aceitas", afirmou Gilberto Braga anos depois.

Oficialmente, a censura foi encerrada no Brasil após a promulgação da Constituição de 1988, fato ocorrido durante o período de exibição de Vale Tudo.

A Divisão de Censura Federal, órgão vinculado à Polícia Federal que censurava conteúdos artísticos, foi substituído pelo Departamento de Classificação Indicativa (leia mais aqui). Com isso, houve mudanças, como a expressão "proibido para..." sendo substituída por "não recomendado para...".

Lala Denheizelin e Cristina Prochaska em cena de 'Vale Tudo' - casal sofreu com a censura à época da novela

Lala Denheizelin e Cristina Prochaska em cena de 'Vale Tudo' - casal sofreu com a censura à época da novela Foto: Bazilio Calazans / Globo / Divulgação