Preso por vandalizar estrela de Trump terá fiança paga por homem que cometeu o mesmo crime em 2016

Redação - O Estado de S.Paulo

Nesta semana, Austin Clay usou uma picareta para destruir a estrela do presidente dos EUA na calçada da fama; há dois anos, outro homem havia feito o mesmo

Estrela de presidente foi vandalizada em Hollywood

Estrela de presidente foi vandalizada em Hollywood Foto: AP Photo/Reed Saxon

Na última quarta-feira, 25, a estrela de Donald Trump na Calçada da Fama, em Hollywood, apareceu destruída. O autor do vandalismo foi Austin Clay, que, de acordo com o LA Times, foi preso sob a acusação de vandalismo. Ele só poderia ser liberado para responder ao processo em liberdade se pagasse uma fiança de US$ 20 mil (cerca de R$ 74 mil) – e o valor será pago por alguém que se indentificou com o seu feito.

De acordo com o TMZ, quem vai pagar a fiança será James Otis, um homem que também vandalizou a estrela de Trump, há dois anos. Em 2016, antes da eleição presidencial, Otis foi preso após destruir a estrela, pagou uma fiança do mesmo valor de Clay e foi liberado. Posteriormente, foi condenado na Justiça a três anos de liberdade condicional e 20 dias de serviço comunitário, além de ter de pagar US$ 4.400 (R$ cerca de 16,3 mil) para substituir a estrela.

Na época, Otis disse que queria remover a estrela inteira da calçada, vendê-la e dar o lucro para as mulheres que foram assediadas por Trump. Entretanto, ele viu que isso seria muito difícil e decidiu apenas destruir a estrela e levar consigo algumas letras do nome de Trump. Otis disse que "não aguentava mais as falas agressivas de Trump com as mulheres".

Já Clay usou uma picareta para vandalizar a estrela durante a madrugada e saiu. O presidente dos Estados Unidos ganhou a estrela em 2007, por conta de seu trabalho como apresentador e produtor-executivo de O Aprendiz americano.