Vamos retomar o assunto sobre a estreita relação entre robôs e os vovôs e as vovós. Hoje vou dar alguns exemplos de robôs que já foram criados com o propósito único de ajudar os mais velhos em tarefas cotidianas.

Robôs ajudadores cuidam dos idosos

No Japão, sempre à frente e com uma população claramente envelhecida, o aibo, um filhote robótico com inteligência artificial, da empesa Sony, e a foca Paro, do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Industrial Avançada do Japão, são robôs terapêuticos que ajudam crianças especiais e pacientes com demência.

Outro exemplo é o Pepper, criado pela SoftBank. Trata-se de um robô em forma de pessoa que consegue conversar, desde que o seu interlocutor não se afaste muito do roteiro. O MySpoon é um robô para quem não consegue se alimentar sozinho.

Também vale citar os exoesqueletos (que são como roupas que as pessoas vestem à base de motores elétricos) que ajudam os membros do corpo a ter mais movimento, força e resistência. Eles já estão sendo utilizados pela área de saúde, com enfermeiros utilizando para  transportar pacientes ou permitindo que pessoas paraplégicas andem. Fantástico !

O governo japonês calcula que 8% das casas de repouso têm robôs atualmente e projeta que 4/5 dos idosos que recebem cuidados possam ter alguma ajuda derobô até 2020. Super futurista, não é mesmo ?

Por aqui no Brasil ainda estamos um pouco distantes desta realidade, mas já nos deparamos com relógios inteligentes que ajudam idosos a comunicar um mal súbito apenas apertando o botão;  ou aplicativos que medem a pressão arterial, ajudam na hora de tomar medicamento conectando os dados com o celular do médico. Mas, claro, ainda estamos um pouco longe de uma realidade totalmente robótica, como o Japão.

Enquanto cientistas, professores e engenheiros trabalham para tornar os robôs ainda mais inteligentes e ajudadores, podemos ir fazendo a nossa parte: mantendo uma vida mais independente possível, com alimentação saudável, exercício físico regular e aquela vida social ativa. Vamos nos preparar para o futuro? Viva mais e melhor