Agenda

Sobre tiros, terror e homofobia: ‘não há cultura sem cidadania’

Por Arnaldo Afonso

15/06/2016, 04h39

   

 

beijo

Amor.
Amor.
Amor.
Matar cinquenta pessoas unicamente por conta de sua orientação sexual não é amor.
Se o que te choca são pessoas se beijando, devo dizer que sua humanidade está por um fio.

 

(O texto acima é do poeta Claudinei Vieira, organizador do sarau Desconcertos Literários e autor do recém-lançado Yurei, Caberê, pela editora Patuá. Leia aqui, outros poemas dele.)

 

… … … … … … 

CONTRA A HOMOFOBIA 1

… … … … … … 

 

Em meu post anterior repercuti a arte, o discurso e a atitude de três mulheres (uma publicitária, uma fotógrafa e uma advogada), que lutam bravamente pelos direitos de igualdade de gênero (leia aqui) e apontam os malefícios da cultura machista. Hoje, após o terrível massacre na boate americana, não posso deixar de comentar e condenar a homofobia e o fanatismo supostamente ‘religioso’. 49 mortos, mas bastaria um ferido. Li que o atirador abominava a ideia de que homens se beijem. Já a ideia de um assassinato em massa não lhe pareceu condenável. Sem me aventurar a julgar sua mente doentia, esse é o tipo de atitude que denota um homossexualismo enrustido, oprimido, talvez, pelo medo de contrariar os mandamentos do fanatismo ‘religioso’. Nas redes sociais, ‘homens’ (que se dizem muito ‘machos’), fizeram ‘piadas’ que, de certa forma, aprovam o massacre. São tipos assim, os mesmos não-assumidos de sempre, que disseminam esse pensamento fascista perpetuador da cultura do machismo, do estupro e da homofobia.

Neste blog se defende a liberdade (de ser e viver), a diversidade cultural e a coexistência fraterna. E, mais, se valoriza e aprecia as diferenças culturais. Aqui se enaltece a beleza da diversidade, seja ela musical, racial, étnica, religiosa ou sexual. Isso significa respeitar e se colocar no lugar do outro, seja ele negro, gay, mulher, criança, artista, operário, ateu, refugiado ou imigrante. Somos nós cada um dos negros insultados. Somos nós cada uma das mulheres estupradas. Somos nós cada um dos gays assassinados. Aos que me perguntam se isso é assunto para um blog de saraus, cito o grande

Documento

(que desembocaram, diminuídos e deturpados, nas atuais Emeis), com quadras e equipamentos para práticas esportivas e culturais, parques infantis com brinquedos, árvores e espaço para diversão e refeitório para café e almoço: “Não há cultura sem cidadania”, concluiria o escritor. Claro que um bom artista não é obrigado a se posicionar politicamente. Mas há momentos em que se calar é dizer sim à exclusão e à barbárie. Aqui se diz não.

 

germana2

(Mais abaixo, outro poema de Germana Zanettini)

 

Este blog defende o direito de qualquer pessoa amar a quem lhe corresponder amor, se solidariza com os familiares e amigos das vítimas, e manda um forte abraço (e um simbólico beijaço-na-boca) a todos os leitores gays (e aos héteros também). Diversidade e inclusão sociocultural são nossas palavras-chave. São as armas dos democratas contra a estupidez do machismo, do preconceito e do racismo. São as flores que carregamos e ofertamos, em resposta aos tiros, à intolerância e à violência da exclusão.

 

… … … … … … 

CONTRA A HOMOFOBIA 2

… … … … … … 

 

Circula na net e chegou a mim através do ator Marcos Breda, o post de Matheus Rodrigues, que já trabalhou no Instituto de Defensores de Direitos Humanos e relatou este comovente episódio:

“O irmão do Zé Celso, Luís Antônio Martinez Corrêa, que era gay, foi assassinado em 1987 com 107 facadas. Quando fala sobre o assunto, sempre emocionado, Zé Celso costuma dizer que, para se matar uma pessoa, uma, três, cinco ou até dez facadas são mais que suficientes. Com cento e sete facadas o que se quer matar não é a pessoa, mas algo muito mais profundo, algo que não morre. É nisso que penso sempre que leio notícias sobre a morte de LGBTs. E foi isso que me veio logo à mente quando fiquei sabendo do atentado na boate LGBT na Flórida que matou 50 pessoas e feriu outras 53. Tentam matar algo que não morre. Algo que, por mais que queiram, por mais que tentem, não morrerá jamais. E o melhor exemplo disso está vindo lá dos EUA mesmo: a Parada do Orgulho LGBT de Santa Mônica, na Califórnia, acontece hoje, mesmo sob ameaça de bomba (um carro cheio de explosivos foi encontrado no trajeto da Parada). Esse ano a Parada está silenciosa, sem música, em luto pelos mortos da Flórida, mas o recado é claro: Não desistiremos. Tirem o seu ódio do caminho, porque o nosso amor vai passar.”

 

… … … … … … 

CONTRA A HOMOFOBIA 3

… … … … … … 

 

Por fim, lhes deixo esta linda canção do compositor português Pedro Abrunhosa na brilhante e emocionada interpretação de Maria Bethânia. A música é baseada na tragédia que vitimou a transsexual brasileira Gisberta (Gilberto Salce Júnior), assassinada de forma monstruosa por um grupo de adolescentes na cidade do Porto. Assim como em tantos crimes desse tipo, os autores alegaram estar ‘só brincando’. O que motiva jovens de 12 a 16 anos a ter atitudes assim? O quanto os discursos homofóbicos proferidos diariamente por figuras públicas (algumas com mandato parlamentar, outras se utilizando de concessões do Estado, como as tevês) contribuem para essa desumanidade? Como se sentem nessa hora os Bolsonaros, Felicianos, Malafaias e similares? O que teriam a nos dizer sobre esses crimes?

 

Gisberta foi mantida encarcerada por dois dias, torturada, arrastada pelo chão e arremessada de uma grande altura a um poço profundo onde morreu afogada (leia aqui). Quando Bethânia termina a canção, repetindo o último verso ‘o amor é tão longe’, creio que estamos junto com Gisberta, tocamos seu rosto e nos redimimos um pouco, chegando perto de alguma humanidade. Perdão, Gisberta. Não consigo acreditar que eles não saibam o que fazem.

 

 

… … … … … … 

UM POETA,
UM POEMA

… … … … … … 

Esta seção abre espaço aos muitos ótimos poetas que ouço por aí, pelos bares e saraus do movimento cultural. Ou os que conheço dos vários livros comprados, doados, roubados, recebidos, aparecidos (livro é um bicho vivo…). Aqui é jogo rápido, sem maiores comentários ou análises profundas, nem os elogios que cada um deles merece. Um poema, uma pequena ficha do autor e alguns links para que você o conheça melhor. Hoje, duas ótimas poetas: um videopoema da Lisa Alves e um poema-cartaz da Germana Zanettini. Curte esses e vai atrás de outros. Ainda tem a ilustradora Carol Rossetti com seus poéticos e libertários desenhos. 

 

… … … … … … 

LISA ALVES

Minha mãe costurava para travestis

Lisa Alves é mineira e reside em Brasília. É colaboradora nas revistas EllenismosMallarmargens. Participou de diversas antologias e publica em vários espaços literários, como as revistas Flaubert, Germina e Diversos Afins. Lançou recentemente o livro Arame Farpado (pelo Coletivo Púcaro/NYX Poética). Seu blog é o lisaallves.blogspot.com.br

 

… … … … … … 

GERMANA ZANETTINI

Oito de março

germana

Germana Zanettini é de Porto Alegre. Poeta, tradutora e jornalista, participou de antologias e revistas literárias. Tem poemas nas paredes de ônibus e trens de Porto Alegre, além de criar o interessante projeto Poesia na Pele. Leia aqui mais alguns ótimos poemas dela.

 

… … … … … … 

CAROL ROSSETTI

Mulheres

rosse1

rosse5

rosse2

carol-rossetti16

Carol Rossetti é uma ilustradora mineira. Esses desenhos fazem parte do livro Mulheres – Retratos de respeito, amor-próprio, direitos e dignidade. Diz a autora: ‘O meu objetivo com as ilustrações é mostrar as várias formas de opressão e fazer com que as pessoas se questionem. Convido todos os que dividem comigo essa ideia de liberdade a celebrar a diversidade do ser humano’. Seu trabalho viralizou na net e ganhou edições em diversos idiomas.

 

 

… … … … … … 

AGENDA

… … … … … … 

 

Além das sugestões abaixo, acompanhe também as muitas opções contidas na Agenda da Periferia. Informe-se, atue e divirta-se!

 

Quarta-feira – 15 de junho – 17h … Palestra sobre Agenciamento Musical e Artístico na Europa … A palestrante Masha Bender já organizou turnês mundiais e agenciamento de shows em mais de 30 países. No evento, foco para artistas ainda não estabelecidos no mercado. A palestra será em inglês e terá duração de 3h. Na Cooperativa de Música. Reservas pelo email producao@cooperativademusica.com.br

 

 

Quinta-feira – 16 de junho – 20h … Show de Ricardo Nash + convidados … O músico lança seu primeiro cd, Santo Menino Vagabundo, com 13 músicas de sua autoria. As canções serão interpretadas pelo compositor (ao violão) e com Marcelo Ullmann (guitarra), Leo Costa (saxofone, flauta transversal), Dicinho Areias (acordeon) e Fábio Olí (percussão). Couvert: R$20. No Duesie, na Barra Funda.

 

Sexta-feira – 17 de junho – 18h … Slam Função – Circuito SlamBR … Batalha de poesias autorais, realizada toda terceira sexta-feira de cada mês na Ocupação Cultural Casarão, na Praça anexa à Estação de Trem Jardim Helena, na Vila Mara (Linha 12 Safira – CPTM). Vai rolar também o Racha COR/AÇÃO (uma rodada de poemas de amor.

 

Sexta-feira – 17 de junho – 19h … Serginho Acústico … Músico faz show acústico com sucessos do reggae, rock e mpb. No Carauari Bar e Mercearia, na Vila Maria. Grátis.

 

Sábado – 18 de junho – das 11h às 19h … 2º Festival BB Seguridade – Blues e Jazz … O evento se encerra pontualmente às 19h, horário de fechamento do parque. Programação: 11h – Orleans Street Jazz Band … 11h30 – O Bando … 12h30 – Orquestra Voadora … 13h – B4 Jazz Quartet … 14h – Toninho Horta … 15h30 – Steve Guyguer (part. Flávio Guimarães) … 16h30 – Marco Lobo Quinteto com David Liebman … 17h30 – Maria Gadú (part. Tony Gordon).  No Parque Villa LobosGrátis.

 

 

Sábado – 18 de junho – das 14h às 15h30 … Poesia Na Faixa – Grajaú … Mais uma atividade do grupo Poetas do Tietê: um megafone na mão e uma ideia na cabeça. Na Av. Belmira Marin, próximo ao número 3600.

 

Sábado – 18 de junho – das 17h às 19h … Palestra: A arte de editar um livro … O escritor Láercio Aparecido da Silva discorrerá sobre os critérios fundamentais para a seleção de originais. Entre os tópicos abordados, como organizar e planejar o envio de original para apreciação. Os participantes podem trazer seus escritos para uma consultoria editorial. R$ 50, no Instituto Sarath.

 

 

Sábado – 18 de junho – 18h … Sarau Encontro de Utopias – 7 anos … Aniversário de um dos saraus mais legais de SP. Lançamento da coletânea Ciranda Poética, exposição das ilustrações de Carlos Morgani Filho e participação da banda Vila Morena. Leve seus poemas, instrumentos, adereços e entre na ciranda. No Centro Cultural São Paulo.

 

grande sertao grajau

Sábado – 18 de junho – 18h30 … GRANDE SERTÃO GRAJAÚ: Prólogo … Em forma de um grande prólogo e por meio de um coro  formado por seus 12 atores, a II Trupe de Choque apresenta a sua versão para o romance de Guimarães Rosa. A peça é encenada em salas de aula de duas escolas do Grajaú. Ao final de cada apresentação haverá uma roda de discussão aberta com os coletivos da região sul da cidade. Na EE Professor Carlos Ayres, grátis.

 

 

Domingo – 19 de junho – das 14h às 17h … Ensaio aberto – HAIR PAZ & AMOR, o musical … A Cia Makuná de Artes, em fase de pré-produção de novo espetáculo, abre as portas para convidados acompanharem os bastidores da remontagem. Na Fábrica de Cultura Parque BelémEntrada franca. Reservas pelo e-mail producaociamakuna@gmail.com 

 

Domingo – 19 de junho – 14h … BOOMSENSE HIP HOP … Parceria do selo independente Reclivre e da produtora NQSI (nunca quis ser interessante), o projeto abre espaço para novos sentidos de linguagem e ampliação das estéticas do rap. Participam artistas como Maique Maia, Rodrigo Chiock, Raphael D’arte, Umarco e Sem. O intuito é fazer música no formato de produção coletiva. Grátis, no Centro Cultural da Juventude, na Cachoeirinha.

 

slam minas2

Domingo – 19 de junho – 16h … SLAM DAS MINAS … Batalha de poesias com escritoras e slammers. Acontece no terceiro domingo do mês de forma itinerante. Exposição de fotos com o coletivo de mulheres fotógrafas Mamana. Pocket-show: Rap Plus Size com Issa Paz e Sara Donato. Na Casa da Lagartixa Preta, em Santo André. Entrada franca.

 

Domingo – 19 de junho – 17h … A Hora e a Vez do Compositor … Evento do Projeto Autoria com destaque para obras inéditas de artistas da Baixada Santista, como Bruno Conde, Luiz Cláudio de Santos, Paulo Cézhar Luz, Rogério Baraquet, Walter Jr e outros. Entrada R$ 10, no Espaço Corisco Mix, em Santos.

 

 

Domingo – 19 de junho – 18h … Show Gabriel De Almeida Prado – Espaço Parlapatões … O talentoso músico, que lançou recentemente seu cd A língua e a alma (comentado por este blog)se apresenta com banda completa e convidados especiais. Couvert na base do ‘passa o chapéu’. No Espaço Parlapatões.

 

Segunda-feira – 20 de junho – 19h … Lançamento de ‘O sol vinha descalço’, de Eduardo Rosal …  Lançamento do livro vencedor do Prêmio Maraã de Poesia. Na Blooks Livraria, no Rio de Janeiro.

 

… … … … … … 

INTÉ, PESSOAL…

SEMANA QUE VEM TEM MAIS!

… … … … … … 

 

 

Comentário(s)

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.