Wes Anderson é acusado de apropriação cultural em seu novo filme

Redação - O Estado de S.Paulo

‘Ilha de Cachorros’ se passa no Japão e está sendo criticado por perpetuar estereótipos

O diretor Wes Anderson está sendo acusado de apropriação cultural por conta do seu novo filme, 'Ilha de Cachorros'

O diretor Wes Anderson está sendo acusado de apropriação cultural por conta do seu novo filme, 'Ilha de Cachorros' Foto: Brendan McDermid/Reuters

O cineasta Wes Anderson está sendo acusado de apropriação cultural por críticos de cinema que assistiram seu novo filme, Ilha de Cachorros, que estreia nos Estados Unidos nesta sexta-feira, 23 (a estreia no Brasil ocorre em 14 de junho). Segundo alguns jornalistas, Anderson se utilizou de estereótipos para retratar o enredo do filme, que se passa no Japão.

Dirigido e escrito pelo cineasta norte-americano, o filme foi produzido em animação stop-motion e conta a história de um garoto que quer recuperar seu cachorro em um futuro alternativo em que todos os caninos do mundo foram isolados em uma ilha do Japão após uma epidemia.

Segundo a revista Entertainment Weekly, vários críticos que assistiram ao filme ficaram desconfortáveis como Anderson se utilizou de elementos considerados estereótipos da cultura japonesa para fazer o roteiro da produção, além de contar com poucos atores de ascendência nipônica para fazer as vozes dos personagens.

“Esse filme é parte de um problema maior que inclui filmes como A Viagem Para Darjeeling em que pessoas e locações ‘exóticas’ são usadas como enfeites. O estilo de [Wes] Anderson não evoluiu apesar das conversas sobre esses assuntos na indústria cinematográfica. Esse é só um exemplo do porquê mais filmes precisam ser dirigidos por mulheres, minorias e outras pessoas de comunidades marginalizadas”, disse Stephen Gong, diretor do Center for Asian American Media, à revista, quando perguntado sobre o assunto.