Protagonista de ‘A Usurpadora’ diz que sua assistente tentou matá-la envenenada

Redação - O Estado de S. Paulo

‘Estou viva por um milagre’, contou a atriz Gabriela Spanic

Gaby Spanic deu entrevista ao 'Programa do Porchat'

Gaby Spanic deu entrevista ao 'Programa do Porchat' Foto: Instagram/gabyspanictv

A atriz Gabriela Spanic, intérprete das gêmeas Paola e Paulina na novela ‘A Usurpadora’, não viveu maus bocados apenas na ficção. Em entrevista ao ‘Programa do Porchat’, da Record TV, desta segunda-feira, 8, a venezuelana contou que foi envenenada por uma assistente em 2010.

“Ela era minha assistente. Envenenou minha mãe, minha irmã, meu filho que tinha um ano e meio. Ela usou cloreto de amônia, que é um produto que se vende em agropecuária para fertilizar plantas, dissecar animais e até para revelar fotos. Colocou não só na minha comida, mas na de todos”, revelou Spanic. “Suspeita-se que isso aconteceu durante 6 meses. Estou viva por um milagre”, acrescentou.

A atriz só descobriu que estava sendo vítima de intoxicação depois de diversos exames. O índice de concentração de amônia estava muito elevado e os médicos se deram conta de que era um agente externo que estava causando o problema.

“Segundo as estatísticas, no mundo inteiro, 15% da população tem uma doença psicológica. Ninguém sabe porque alguém faz isso. Às vezes, você acha que uma pessoa parece boa, mas na verdade é uma psicopata. E você nem se dá conta”, explicou.

Ainda segundo Spanic, a assistente ficou presa por dois anos e recebeu ajuda de uma outra artista para deixar a prisão. “Nem pronuncio o nome dela. Eu peço a Deus que nunca a encontre na rua”, completou.