O Plantão da Globo interrompeu 'Dragon Ball Z' no 11 de setembro?

André Carlos Zorzi - O Estado de S.Paulo

Nos últimos anos, redes sociais foram palco de debate sobre programação de TV no dia dos atentados ao World Trade Center em 2001 e popularizaram o termo 'Efeito Mandela'; saiba o que é e entenda sua relação com falsas memórias

O personagem Goku, de 'Dragon Ball Z' 

O personagem Goku, de 'Dragon Ball Z'  Foto: Reprodução de cena de 'Dragon Ball Z' (1989) / Fuji TV

Dragon Ball Z foi interrompido pelo Plantão da Globo durante o atentado terrosita ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001? Você provavelmente já se deparou com relatos nas redes sociais feitos por pessoas que garantem ter visto isso acontecer na época.

Nos últimos anos, o tema trouxe muita discussão e ajudou a popularizar o termo "Efeito Mandela" no Brasil, que tem ligação com falsas memórias proporcionadas pela mente humana.

Dragon Ball Z foi ao ar na TV em 11 de setembro de 2001?

No dia dos atentados terroristas, a programação da Globo previa o infantil Bambuluá, de Angélica, entre 9h20 e 11h55. Era dentro desse horário que Dragon Ball Z era exibido havia alguns meses.

Programação da Globo em 11 de setembro de 2001 

Programação da Globo em 11 de setembro de 2001  Foto: Acervo / Estadão

Dentro do Bambuluá, existia a TV Globinho (que deu origem ao tradicional horário de desenhos da Globo), espécie de 'emissora' fictícia em que Angélica trabalhava como âncora e tinha a ajuda de repórteres mirins na chamada de desenhos e esquetes.

Em agosto de 2017, o jornalista Diogo Cavalcante, do Diário de Pernambuco, publicou a imagem do que seria a medição de audiência da Globo no dia 11 de setembro de 2001, com o nome dos programas e seus horários de exibição.

O documento indica que Dragon Ball Z costumava ser exibido mais adiante, no horário das 11h15, e o que estava sendo exibido no horário por volta das 9h50, quando o Plantão da Globo teria entrado no ar pela primeira vez naquele dia, era Garrafinha.

Segundo o site Memória Globo, a primeira interrupção do Plantão da Globo com Carlos Nascimento durou apenas quatro minutos. A cobertura jornalística retornaria somente algum tempo depois, às 10h02, o que indica que houve mais de uma interrupção na programação naquela manhã.

Dragon Ball Z, de fato, era exibido diariamente num horário próximo ao que ocorreram os atentados de 11 de setembro, o que pode ter levado à confusão de algumas pessoas. É provável que se trate apenas de uma falsa memória amplificada pelas redes sociais - é possível encontrar montagens com o plantão interrompendo uma cena do desenho, por exemplo.

Em 2019, o Estadão contatou a Globo sobre detalhes da programação na data, mas não obteve retorno. Também não há gravações da íntegra do momento das primeiras interrupções daquela manhã na internet atualmente.

O quadro Garrafinha existia desde 1998, quando ia ao ar no programa Angel Mix. Com a criação de Bambuluá, o programa voltou a ser exibido em edições que duravam por volta de cinco minutos. Nas historinhas, a protagonista dividia a cena com seu amigo Musicão e o pinguim Fraldo.

O que é Efeito Mandela

O termo ganhou popularidade por conta de um site criado em 2009 pela norte-americana Fiona Broome, que se define como "pesquisadora paranormal". 

"Efeito Mandela" seria uma referência ao fato de ela e algumas pessoas com quem teria contato possuirem uma falsa memória sobre a morte de Nelson Mandela - que ocorreria, de fato, anos depois, em 2013.

Por isso, o termo é utilizado para se referir a memórias compartilhadas por muitas pessoas sobre algo que não aconteceu, de fato - como a exibição de Dragon Ball Z sendo interrompida pelo Plantão da Globo no 11 de setembro.

Um exemplo seria a frase de Darth Vader para Luke Skywalker no filme Star Wars. Muitos acreditam que o personagem diz "Luke, eu sou seu pai", quando a versão original do filme diz "Não, eu sou seu pai".

Isso pode ter diversas explicações. Entre elas, diferentes traduções ou versões de uma determinada obra, ou pronúncia ou forma de escrever semelhante em alguns casos. Em outros, paródias humorísticas também acabam influenciando as lembranças que temos. 

Fiona Broome também lançou o livro The Mandela Effect - Theories and Explanations ("O Efeito Mandela - Teorias e Explicações", em tradução livre), no qual fala sobre o tema.

Falsas memórias

Apesar de o termo Efeito Mandela não ser usado cientificamente, a questão das falsas memórias, ou falsas lembranças, começou a ser estudada no final do século 19 e é alvo de estudos frequentes desde a década de 1990.

"Falsas memórias são um tipo de falha na memória em que o indivíduo pode (a) reconhecer como tendo visto antes um objeto ou evento que não tenha ocorrido ou (b) não reconhecer algo previamente presenciado. Estes são o falso reconhecimento e a rejeição errada", explica uma tese de doutorado pela USP de Renato Ferrari Pacheco.

Em sua dissertação, o doutor em engenharia elétrica exemplifica um caso de falsa memória presenciado por ele. Diante de alunos, disse as seguintes palavras: "morro, pico, bandeira, vale, frio, altura, alpinista, neve, escalada, céu, cume, vulcão, monte, cachoeira e nuvens".

Na sequência, escolheu algumas delas e outras que não havia dito e pediu que lhe respondessem se elas estavam na lista de palavras faladas anteriormente. Ao questionar sobre a palavra "montanha" - que não havia sido dita - a maioria dos estudantes afirmou que sim. Um deles, inclusive, exaltou-se pois tinha certeza que ouviu a palavra.

"Nesta situação apresentou-se um tipo de falha na memória, conhecido como falsa memória. Obviamente o conteúdo pode induzir ao erro, pois todas as palavras são relacionadas com 'montanha'", consta na tese.

O exemplo nos ajuda a compreender como o cérebro humano, de fato, pode gerar falsas memórias de variadas formas. 

Como foi a cobertura do 11 de setembro

O jornalista Carlos Nascimento foi o responsável por tocar a cobertura ao vivo dos atentados ao World Trade Center na Globo em 11 de setembro de 2001 - dividindo a função com Ana Paula Padrão em alguns momentos. Meses depois, ele relembrou o momento em depoimento ao quadro Repórter em Ação, do Jornal Hoje.

"Eu achei que um pequeno avião tinha batido num prédio, só isso. Quem naquela altura imaginaria que um Boeing tinha sido lançado contra um dos edifícios mais famosos do mundo?", comentava, sobre o início do plantão.

"Quando o segundo avião bateu, a primeira torre encobria a segunda e não ficou claro que era um novo choque. Mas, segundos depois, nós não tinhamos mais dúvidas. Era uma outra explosão e o World Trade Center só podia estar sendo alvo de um ataque terrorista", prosseguia Carlos Nascimento.

É possível assistir a diversos vídeos com a cobertura do 11 de setembro na Globo no YouTube. Confira alguns abaixo:

Clique aqui para relembrar como o Estadão noticiou os atentados ao World Trade Center. Saiba também como foram os bastidores da redação no dia 11 de setembro de 2001 e confira uma lista com filmes e livros sobre o tema.

Veja algumas postagens em redes sociais falando sobre a suposta exibição de Dragon Ball Z no dia 11 de setembro de 2001: