Record e SBT são notificadas por pouca representação negra em novelas

Redação - O Estado de S.Paulo

MPT já havia notificado Globo após críticas sobre 'Segundo Sol'; órgão recomenda que emissoras realizem ações de inclusão e evitem reproduzir estereótipos

Ministério Público do Trabalho emitiu recomendações a Globo, Record TV e SBT por maior representação negra em novelas.

Ministério Público do Trabalho emitiu recomendações a Globo, Record TV e SBT por maior representação negra em novelas. Foto: Pixabay

O Grupo de Trabalho de Raça do Ministério Público do Trabalho (MPT) emitiu na última quarta-feira, 6, mais duas notificações recomendatórias a emissoras pela falta de representação da população negra nas telenovelas. Desta vez, foram notificados a Record TV e o SBT.

"O objetivo é valorizar a herança cultural e a participação dos negros na história do país e alterar esterótipos sobre o papel do negro na sociedade", explica a coordenadora nacional de Promoção de Igualdade e Oportunidades e Eliminação da Discriminação no Trabalho (Coordigualdade) do MPT, Valdirene Silva de Assis, que criou o grupo de trabalho de raça.

A primeira emissora a ser notificada foi a Globo, em maio, logo após o início da divulgação da novela Segundo Sol, que, apesar de ser ambientada na Bahia – estado com maior número de negros no Brasil –, conta com poucas pessoas negras no elenco.

"Recebemos um número significativo de denúncias e, como já era uma de nossas ações previstas para este ano, e porque isso afronta o direito da população negra a ter a sua devida representação, foi feita a recomendação", conta Valdirene, e alerta ainda que não há ingerência na obra. "Não há essa pretensão. A única recomendação é para que as empresas ofereçam oportunidades de empregos para atores, figurantes e técnicos negros, sendo vedada qualquer discriminação".

Nas notificações, constam recomendações como "formar um plano de ação que contemple medidas para garantir inclusão e igualdade de oportunidades e remuneração a população negra" e "equidade de raça e etnia nas relações de trabalho", a realização de censo dos trabalhadores das emissoras, "possibilitando a criação de um observatório permanente" e promoção de ações de conscientização internas.

Além disso, recomenda-se evitar "reproduzir situações de representações negativas ou estereótipos da pessoa negra", e incentiva-se a "reconhecer e valorizar a história e a cultura negra em suas formas e existência e resistência".

O grupo se reúne desde o fim de 2017 e tem um diálogo constante com as emissoras e canais televisivos, para que seja observada a diversidade racial em toda a sua programação. Outras emissoras e canais devem ser notificados em breve.