Mateus Solano lança filme e novela na mesma noite, mas 'perde' as duas estreias

Gabriel Perline - Especial para O Estado de S. Paulo

Ator confessou ao E+ que não iria conseguir assistir a nenhuma das produções devido à falta de tempo

Foto: Divulgação

A agenda recheada de compromissos fez o ator Mateus Solano 'perder' as estreias de dois trabalhos inéditos. Em ambos, ele ocupa papéis centrais: o primeiro capítulo da novela Liberdade, Liberdade, na qual interpreta o vilão Rubião, e o pré-lançamento do filme Em Nome da Lei, do qual é o protagonista bonzinho.

Mateus e boa parte do elenco estiveram no shopping Iguatemi, em São Paulo, na noite desta segunda-feira, 11, para uma sessão de pré-lançamento do thriller policial, que estreia no dia 21, e confessou à reportagem que não iria conseguir assistir a nenhuma das produções devido à falta de tempo.

"Amanhã eu preciso estar às 8h30 no Projac, então hoje eu não ficarei até o final da sessão do filme. Vou sair correndo e tentar ver o finalzinho da novela", disse o ator ao E+.

 

No filme Em Nome da Lei, Mateus interpreta o juiz federal Vitor, um jovem que decide investigar a fundo a máfia que atua na fronteira entre Brasil e Paraguai liderada por Gomez (Chico Diaz), responsável pelo tráfico de drogas na região. Na TV, ele é Rubião, um ex-guarda da Coroa que caça inconfidentes, o grande vilão da história.

Após três anos descansando a imagem na TV, devido ao sucesso do personagem Félix de Amor à Vida (2013), ele volta a ser o cara mau de um folhetim e se diz realizado por encarar personagens desafiadores como Rubião.

"São muitos os fatores que levam o público a se identificar com os vilões. Não só a falta de liberdade e de se expressar livremente no dia a dia, por causa dessa coisa do politicamente correto, e com os vilões a gente meio que exorciza isso. E também porque o vilão é mais real que o mocinho. O mocinho, de alguma forma, é menos humano que o vilão, ainda mais um vilão como o que eu fiz que virou uma outra coisa", disse.

 

Leia também no E+:

Fernando Henrique Cardoso vai narrar série sobre personagens políticos do Brasil

Renato Aragão pode perder até R$ 1 milhão em processo