'Felicidade' marcou volta de Manoel Carlos após briga com a Globo

André Carlos Zorzi - O Estado de S.Paulo

Autor passou cerca de oito anos afastado da emissora nos anos 1980; 'Me sentia abusado e pressionado 24 horas por dia', reclamava, à época

O autor de novelas Manoel Carlos em foto de fevereiro de 1998 

O autor de novelas Manoel Carlos em foto de fevereiro de 1998  Foto: Vidal da Trindade / Estadão

Manoel Carlos, um dos principais autores de novelas da Globo, passou por um período de rompimento com a emissora na década de 1980. Foi com a novela Felicidade, que volta nesta segunda-feira, 21, desta vez no Globoplay, que Maneco 'fez as pazes' com o canal.

Ao todo, foram cerca de oito anos entre sua saída e a estreia de Felicidade, em 7 de outubro de 1991 (a trama foi exibida até 30 de maio de 1992). 

No período em que esteve afastado, fez alguns trabalhos na Manchete, como Novo Amor, Viver a Vida e Joana, além de O Cometa, na Band. Também esteve à frente de O Magnata, novela escrita para a Capitalvision, produtora e distribuidora internacional.

O imbróglio entre Manoel Carlos e a Globo teve início em fevereiro de 1983, após a morte da Jardel Filho, um dos principais atores de Sol de Verão, novela escrita pelo autor, à época. 

"A gota d'água foi a morte de Jardel Filho, meu amigo, meu companheiro, meu irmão. Escrevi Sol de Verão especialmente para ele. Tratava-se, realmente, de uma novela biográfica de Jardel Filho. Ele morreu e eu senti muito. Havia muita dor", explicava, em entrevista ao Estadão, em 1986.

Jardel Filho e Irene Ravache durante as gravações da novela 'Sol de Verão', em 1982. 

Jardel Filho e Irene Ravache durante as gravações da novela 'Sol de Verão', em 1982.  Foto: Globo / Divulgação

"Propus à Globo acabar a novela em uma semana. Eles argumentaram que não seria possível. Aumentei para duas semanas. Eles reargumentaram que teria de estendê-la, pelo menos, por mais três [semanas]. Eu disse 'não'."

"Não acredito quando falam que 'o show deve continuar'. Não. Ele tem de ser interrompido quando a dor é muito forte. Tem de se respeitar a dor alheia. Não há nenhuma alegria em ver o circo pegar fogo. Temos, pelo contrário, de ajudar a apagar o incêndio", concluía.

À época, a Globo encomendou uma pesquisa para saber se o público apoiava a continuidade ou a interrupção de Sol de Verão. O resultado indicou que a trama devia prosseguir. Manoel Carlos, então, deixou a novela e Lauro César Muniz, assessorado por Gianfrancesco Guarnieri, escreveram os 17 capítulos finais.

Ao sair, o autor divulgou um manifesto em que reclamava: "Poucos protestam contra a excessiva carga horária de trabalho, a desumanização no trato pessoal, o autoritarismo à maneira de Hollywood dos anos 40, as reprises inconsequentes".

Viviane Pasmanter e Tony Ramos em cena da novela 'Felicidade'. 

Viviane Pasmanter e Tony Ramos em cena da novela 'Felicidade'.  Foto: Globo / Divulgação

Ao Estadão, em 1986, Manoel Carlos explicava que a pressão, a cobrança para estender novelas e a necessidade em se ter sempre novos capítulos lhe causavam revolta.

"Havia um certo abuso. Eu me sentia abusado e pressionado 24 horas por dia. Escrever uma novela é viver quase um ano sob pressão constante. Sabe o que é escrever um capítulo por dia, uma média de 30 laudas diárias, com o boy da produção esperando na sala para levar seu trabalho para a emissora?", afirmava.

"Você acaba ficando mais preocupado em escrever capítulos diários do que um bom capítulo. A novela acaba ficando por demais repetitiva, redundante. Você tem de prolongar a história por meses e meses."

VEJA TAMBÉM: Relembre as 'Helenas' de Manoel Carlos

Ver Galeria 11

11 imagens

"Enquanto puder, não faço mais essas novelas quilométricas. Não tenho mais idade, paciência, nem vontade de ficar sendo cobrado e de as emissoras exigirem resultados sempre. Como oferecer um resultado no mínimo decente, se não existem as condições necessárias para um trabalho verdadeiramente digno?", completava.

Posteriormente, Manoel Carlos continuou a trabalhar com a Globo, onde escreveu outras novelas marcantes como Por Amor, Laços de Família, Mulheres Apaixonadas, Viver a VidaEm Família, seu trabalho mais recente, que foi ao ar em 2014.  

O Estadão buscou contato com a assessoria da emissora a respeito da atual situação de contrato de Manoel Carlos e possíveis novelas do autor que estejam previstas, mas não obteve retorno até a programação desta reportagem.