'Eu recebi o que? Nada', diz mãe de garoto assassinado por Suzy Oliveira

Redação - O Estado de S.Paulo

Aparecida Santos foi entrevistada pelo programa 'Alerta Nacional', da RedeTV!, sobre sua reação ao ver a detenta responsável pelo assassinato do seu filho ser abraçada por Drauzio Varella

Aparecida dos Santos, mãe da criança que teria sido vítima de Suzy Oliveira, em entrevista 

Aparecida dos Santos, mãe da criança que teria sido vítima de Suzy Oliveira, em entrevista  Foto: Reprodução do programa 'Alerta Nacional' / Rede TV! / Youtube

Aparecida dos Santos, mãe da criança que foi estuprada e assassinada pela detenta Suzy Oliveira, conversou com o programa Alerta Nacional nesta segunda-feira, 9, sobre sua reação ao ver a detenta trans ser abraçada por Drauzio Varella, durante reportagem para o Fantástico.

Ela foi entrevistada pelo repórter Edie Polo para o programa da RedeTV!, que é apresentado por Sikêra Junior. Antes de encontrar a mãe, o jornalista faz uma breve descrição do crime, e chega a entrevistar moradores do local, perguntando se Suzy mereceria visitas considerando o crime que cometeu.

Então, Polo encontra Aparecida, mãe de Fábio, que foi morto em maio de 2010, aos noves anos. Perguntada sobre o que sentiu ao ver a entrevista de Suzy com o médico Drauzio Varella no Fantástico, ela disse que “foi um baque muito grande”. 

“Inclusive, quando eu vi a matéria, eu fiquei com dor de cabeça. Eu estou tremendo até agora”, relatou Aparecida. Ela disse ter ficado indignada por Suzy ter recebido um abraço, cartas e “ainda receber bombomzinho” na prisão. E então questionou: “eu recebi o que? Nada”.

O repórter, então, dá um abraço na mãe da vítima, que, segundo ele, era quem realmente merecia um abraço. Segundo ele, o gesto seria “em nome de toda a sociedade do bem”.  Em nenhum momento o nome de Suzy aparece na matéria, sendo chamada apenas de “o transexual”.

Entenda o caso Suzy Oliveira

Suzy Oliveira recebeu diversas cartas após ser entrevistada por Drauzio Varella para uma reportagem do Fantástico, na ocasião a detenta fala sobre a vida de uma trans em um presídio masculino. Ao dizer que não recebia visitas há anos, ela foi abraçada pelo médico.

Pouco depois, porém, foi revelado que Suzy foi condenada por estuprar e assassinar uma criança de nove anos em 2010. A partir daí, diversas pessoas criticaram a reportagem do Fantástico e o ato de Drauzio, além do envio das cartas. 

Tanto Suzy quando Drauzio e a Rede Globo comentaram o caso. Suzy disse que “em nenhum momento” tentou se passar como inocente, enquanto o médico disse que era “médico, e não juiz”, e não quis saber o motivo da prisão de Suzy. Confira todas as declarações aqui