Em viagem de trem, americanos refletem sobre a vitória de Donald Trump

Luiza Pollo - O Estado de S.Paulo

‘Trem, Trilhos, Trump’ vai ao ar nesta sexta-feira, 20, dia da posse

  

   Foto: Reprodução

No momento em que a contagem de votos por colégio eleitoral nos Estados Unidos revelou que Donald Trump seria o novo presidente dos Estados Unidos, o documentarista e jornalista Luís Nachbin estava no aeroporto de Buenos Aires aguardando uma conexão de 12 horas até seu próximo voo, a caminho dos Estados Unidos.

“As peças foram se encaixando na minha cabeça. A ideia inicial foi fazer um road movie rico em paisagem e que discutisse o momento Trump. Brotou na cabeça no aeroporto, foram muitos cafés para pensar em Buenos Aires”, relembra. 

No documentário Trem, Trilhos, Trump, Nachbin entrevista 13 norte-americanos sobre a eleição do novo presidente dos EUA. Entre eles, estão uma eleitora do Republicano que defende o porte de armas pela população, um casal gay que acredita que o país pode retroceder em alguns direitos sociais adquiridos nos últimos anos e um pai e sua filha que têm opiniões divergentes. “Era uma época – acho que ainda é – de digestão e muita reflexão do que viria - do que aconteceria a partir daí. O quanto das promessas, dos discursos do Trump seria transformado em ação.”

Nachbin tinha um outro documentário para filmar no país, sobre uma refugiada haitiana, que acabou sendo adiantado para encaixar os planos do novo filme na viagem. Depois de terminar o trabalho inicialmente previsto, ele embarcou em um trem em São Francisco com direção a Chicago, no dia 22 de novembro, 13 dias depois da eleição de Trump. Em seguida, foi de Chicago a Washington D.C. e, finalmente, seguiu para Atlanta. 

A viagem durou quatro dias. “O tempo no trem está a nosso favor. Eu tinha bastante tempo antes de tirar a câmera. Dava para perceber os interesses, as direções para as quais eu poderia dirigir as conversas”, explica.

O documentarista relata que teve algumas surpresas. “Uma entrevistada que aparece bastante me surpreendeu muito. Seu principal argumento por ter votado no Trump é que os americanos devem ter como direito portar armas”, conta, sobre uma mulher que segundo ele tem “perfil pacífico, de uma pessoa tranquila, harmônica.”

Além disso, a polarização dos discursos também impressionou o documentarista. “Os tons de cinza desapareceram. Eu não esperava um país tão dividido”, afirma.

Trem, Trilhos, Trump tem 26 minutos e vai ao ar no Canal Brasil nesta sexta, 20, às 21h e no sábado, 21, às 16h30.