Em Cingapura, Disney corta cena de beijo lésbico de ‘Star Wars’

Agência - Reuters

Sexo entre homens é ilegal no país, com pena de prisão, mas a legislação não se aplica às relações entre mulheres

A solução da saga ‘Star Wars’ passa pela heroína que desvenda o enigma da própria identidade.

A solução da saga ‘Star Wars’ passa pela heroína que desvenda o enigma da própria identidade. Foto: Lucasfilm

A Disney cortou um beijo lésbico do mais recente filme da franquia Star Wars, um dos principais lançamentos da temporada de Natal.

A informação foi dada pela agência reguladora de Cingapura à Reuters nesta terça-feira, 24, em uma medida para que mais crianças pudessem assistir ao longa.

Duas coadjuvantes femininas se abraçam, mas não se beijam, na versão de A ascensão de Skywalker exibida em Cingapura, noticiou a mídia local.

“A requerente omitiu uma breve cena que sob as Diretrizes de Classificação de Filmes demandaria uma classificação [etária] mais alta”, disse à Thomson Reuters Foundation uma porta-voz da autoridade responsável pela avaliação de filmes em Cingapura.

A Disney, que é dona da LucasFilm, produtora de Star Wars, não respondeu aos pedidos de comentário sobre sua decisão de cortar a cena do último episódio da segunda franquia mais rentável da história do cinema.

O longa conclui uma história iniciada em 1977, quando o cineasta George Lucas apresentou a espectadores fascinados um jovem herói chamado Luke Skywalker e uma variedade de robôs, guerreiros furiosos conhecidos como Wookies e outras personagens exóticas.

O sexo entre homens é ilegal em Cingapura, com pena de até dois anos de prisão, embora a lei da era colonial britânica raramente seja aplicada. A legislação não se aplica às relações homossexuais entre mulheres.

Sem a cena do beijo, o filme recebeu a classificação PG-13, que recomenda supervisão parental para crianças abaixo de 13 anos.