Como ‘Lightyear’: conheça filmes que foram censurados por conteúdo LGBT+

Jéssica Lopez - Especial para o Estadão

Além da animação da Pixar, outros filmes que foram censurados, banidos ou editados em países que não toleram produções com temática romântica que envolva pessoas do mesmo sexo

Chris Evans e Marcos Mion dão voz ao personagem Buzz Lightyear.

Chris Evans e Marcos Mion dão voz ao personagem Buzz Lightyear. Foto: Disney/Pixar

Beijos e romances em filmes, séries e programas de TV fazem parte do conteúdo cultural que consumimos todos os dias. Entretanto, quando o romance acontece com personagens que têm o mesmo sexo, há países que não toleram que essas produções sejam exibidas e censuram os filmes ou editam como querem.

Lightyear, recentemente, foi uma dessas produções censuradas. A animação da Pixar conta a história do patrulheiro espacial Buzz Lightyear. A trama tem uma personagem lésbica, que nos primeiro minutos casa, tem um filho e beija sua mulher.

O filme foi proibido em quatorze países, entre eles Arábia Saudita, Egito e Peru.

 

 

Entretanto, Lightyear não é o único. Confira outras produções que foram proibidas ou censuradas em alguns países:

 

 

A Bela e a Fera

Le Fou, personagem de A Bela e a Fera, termina a trama nos braços de outro homem na versão live action, o que indicava ser um personagem gay. O filme teve a classificação indicativa de dezesseis anos na Rússia e Malásia. Após isso, foi censurada e tirada de circulação pela Disney.

 

 

 

Dois Irmãos

O longa da Pixar conta a história dois irmãos elfos adolescentes que embarcam numa jornada para tentar redescobrir a magia do mundo ao seu redor. O filme foi banido em diversos países por Specter, uma policial ciclope, mencionar que tem um relacionamento lésbico.

 

 

 

Segredos Mágicos

O curta conta a história de um casal gay centrado em Greg, que vive numa família amorosa e é tutor de um cachorrinho muito alegre. Apesar de tudo isso, ele guarda um segredo. O filme foi banido da Rússia por “conter conteúdos sem valores familiares”.

 

 

 

Eternos

A Marvel lançou um longa com o primeiro super-herói gay em Eternos. O filme, que tem uma cena de beijo entre os atores Brian Tyree Henry e Haaz Sleiman, que interpretam Phastos, um habilidoso mestre ferreiro e seu marido, foi proibido em diversos países e na Rússia teve a classificação  a partir de dezoito anos. 

 

 

 

Thor: Amor e Trovão

O quarto filme da franquia foi banido em países como Egito e Bahrein por conta das referências a homossexualidade de Valquíria, Rei comandante de Asgard, que procura uma rainha. A personagem tem um título masculino justamente para quebrar esteriótipos de gênero.  O filme mostra a jornada de Thor em busca de autoconhecimento e pela procura da paz interior. 

 

 

 

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Na trama, a personagem de Xochitl Gomez, América Chavezter duas mães foi algo que não foi bem recebido em alguns países. O filme foi banido e censurado. O longa mostra que após enfrentar Thanos (Josh Brolin) nos eventos de Vingadores: Ultimato, o Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch), e seu parceiro Wong (Benedict Wong), continuam suas pesquisas sobre a Joia do Tempo.

 

 

 

Animais Fantásticos: Os segredos de Dumbledore

Na sequência da franquia Animais Fantásticos, os personagens de Jude Law e Mads Mikkelsen, Dumbledore e Grindelwald respectivamente, são inimigos que, no passado, foram amantes. O filme, que mostra a trajetória do professor para impedir o mago de assumir o controle do mundo mágico, foi editado para ser exibido na China.

 

 

 

Rocketman

A cinebiografia que conta a história do cantor Elton John teve uma cena de sexo entre dois homens, os atores Taron Egerton no papel do cantor britânico e Richard Madden na pele de John Reid, o que provocou a proibição em países como a Samoa e o Egito. Na Rússia foram cortadas algumas partes para ser exibido.

 

 

 

Amor, sublime, amor

O clássico musical Amor sublime amor, adaptado de um musical da Broadway, conta uma história de amor e rivalidade de gangues  de jovens ambientada na Nova Iorque de 1957. As gangues Jets, formada por brancos norte americanos, e os Sharks, composta por  porto-riquenhos, são rivais que tentam controlar o bairro de Upper West Side. O longa ganhou um personagem que se tornou transgênero na versão de Steven Spielberg. Anybodys (Iris Menas) é uma garota que sonha em entrar numa gangue só de meninos. A versão foi censurada em todos os países do Golfo.

 

 

 

Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo

As personagens de Tallie Medel (Becky Sregor) e Stephanie Hsu (Jobu Tupaki) vivem um romance no filme, que mostra história de Evelyn Wang (Michelle Yeoh) uma mulher que se envolve por acaso em uma aventura multidimensional que coloca o destino de todos os universos em suas mãos. O longa, que estreou nos cinemas brasileiros em junho, foi banido na Arábia Saudita.