'Vogue Itália' é acusada de escurecer pele de Gigi Hadid em capa

Redação - O Estado de S.Paulo

Modelo é a estrela da edição de maio da revista

Gigi Hadid é a capa da edição de maio da Vogue Itália

Gigi Hadid é a capa da edição de maio da Vogue Itália Foto: Instagram/@vogueitalia

A revista Vogue Itália está recebendo críticas nas redes sociais desde que anunciou a capa de sua edição de maio, estrelada pela modelo norte-americana Gigi Hadid, nesta quarta-feira, 2. Fotografada por Steven Klein, a top aparece vestindo um look Dolce & Gabbana sentada no colo do modelo Justin Martin. A polêmica está no tom de pele de Gigi, que causou estranhamento ao aparecer mais escuro do que o habitual. 

 No Instagram, usuários comentaram que "se a ideia era ter uma pessoa com pele escura na capa, a revista deveria ter escalado uma modelo negra". O excesso de edição no rosto da modelo também rendeu críticas. 

Nesta quinta-feira, 3, a modelo se posicionou em suas redes sociais, dizendo "não ter controle sobre a edição da foto", e que não concorda com a maneira como isso foi feito pela revista. "Minha intenção não é diminuir as acusações e nem tirar oportunidades de outras pessoas", desculpou-se a modelo. "Espero que o caso sirva de exemplo para outras revistas no futuro".

Esta não é a primeira capa controversa de Gigi Hadid para a revista italiana. Em 2015, ela foi clicada por Steven Meisel usando uma peruca black power, também com a pele excessivamente bronzeada. 

A Vogue Itália tem um longo histórico de ensaios polêmicos, especialmente durante o período em que teve Franca Sozzani no comando (ela esteve à frente da revista desde 1988 até sua morte, em 2016). Mas a editora foi responsável também por tornar o título mais diverso, lançando a primeira Black Issue da história da Vogue: uma edição contendo apenas modelos negras em suas páginas. Hoje, o brasileiro Giovanni Bianco é o responsável pela direção criativa da publicação.