Você pode fazer a diferença; saiba como

Barton Goldsmith - O Estado de S.Paulo

Sentir que está contribuindo para a melhora da humanidade proporciona um tipo especial de energia que lhe dá poderes para mudar você mesmo e o mundo

Ajudar os outros é ótimo para aliviar a depressão e reduzir a ansiedade

Ajudar os outros é ótimo para aliviar a depressão e reduzir a ansiedade Foto: Pixabay

Saber que se viveu uma vida boa e se mudou um pouco o mundo pode nos dar paz de espírito. Ninguém precisa de uma coleção de troféus na parede. O que conta mais na vida é o que você acrescentou à vida das pessoas amadas, à comunidade, ao mundo.

Ajudar os outros é ótimo para aliviar a depressão e reduzir a ansiedade. Quando se está empenhado nisso, não há tempo para se preocupar ou sentir pena de si mesmo. 

Viver implica fazer de si uma pessoa mais feliz. Ser alguém plenamente realizado permite a você ajudar os outros mais livremente. Também lhe permite ser seu verdadeiro eu todo o tempo. Quando você é importante para os outros, sua existência está justificada. 

Você está ajudando as pessoas às quais ama a sentirem que elas também importam, não só para você, mas para o mundo. Isso não é algo que se possa comprar. E é preciso investir com mãos e coração para se tirar o máximo. Ser mentor da pessoa amada fortalece os laços e aprofunda o amor. 

Mesmo ajudar uma única pessoa desencadeia uma sequência de reações positivas. A pessoa ajudada vai ajudar mais alguém, e assim por diante. Assim, você estará contribuindo para o bem-estar emocional de muita gente que talvez nem venha a conhecer. 

Contribuir dá a você um propósito. Todos precisamos de uma razão de ser; e fama e fortuna não bastam para uma vida mais profunda. Sentir que está contribuindo para a melhora da humanidade proporciona um tipo especial de energia que lhe dá poderes para mudar você mesmo e o mundo. 

Você não precisa ser Brad Pitt, ou Angelina Jolie, ou Bill ou Melinda Gates para fazer diferença. Segurar a mão de um idoso numa casa de repouso é igualmente importante. O calor de seu toque é naquele momento todo o mundo para ele. Meia hora de sua vida pode dar a alguém impulso para viver mais um pouco. 

Não importa quem você seja: todos temos algo a dar à humanidade. Vá, descubra o que pode fazer e compartilhe os resultados

Não importa quem você seja: todos temos algo a dar à humanidade. Vá, descubra o que pode fazer e compartilhe os resultados Foto: Pixabay

Como contribuir, cabe a você escolher. A chave é optar por algo que lhe permita exercer um impacto positivo. Abrace uma causa que o apaixone, ou uma que corresponda a suas crenças. Encontre um pessoa carente, ou um cão que precise de abrigo. O que importa é você sentir que está fazendo o bem. 

E não se esqueça de que este é um ano de eleição. Você pode ajudar como voluntário o candidato de sua escolha, ou ir a comícios dele. Esses são só alguns dos muitos modos de participar, fazer diferença, envolver-se com pessoas que pensam como você. 

Não importa quem você seja: todos temos algo a dar à humanidade. Vá, descubra o que pode fazer e compartilhe os resultados. 

Barton Goldsmith, psicoterapeuta de Westlake Village, Califórnia, é autor de The Happy Couple: How to Make Hapiness a Habit One Little Loving Thing at a Time (O casal feliz: como fazer da felicidade um hábito com um pequeno gesto de amor de cada vez)

Tradução de Roberto Muniz