Sócias da Isolda firmam a moda brasileira fora do Brasil

Helena Tarozzo - O Estado de S.Paulo

Conectadas, Alessandra, Juliana e Maya representam a nova geração fashion que faz sucesso no exterior

As irmãs Juliana e Alessandra Affonso Ferreira, no showroom da marca em São Paulo, onde apresentaram a coleção de inverno

As irmãs Juliana e Alessandra Affonso Ferreira, no showroom da marca em São Paulo, onde apresentaram a coleção de inverno Foto: Eliaria Andrade/Estadão

Pegue aquarelas feitas à mão, adicione um borogodó tropical com cajus e limões, tecnologia de ponta e bons contatos como representantes. Misture tudo com autenticidade e bom gosto. Parece até simples, mas são com esses ingredientes bem combinados que funciona a Isolda, marca que A irmãs maranhenses Alessandra e Juliana Affonso Ferreira tocam a seis mãos com a sócia espanhola Maya Pope. Com certeza você já viu as peças estampadas e coloridas da marca por aí - afinal, elas definitivamente conquistaram o mundo. Um dos nomes mais expoentes da nova cena fashion brasileira, a grife alçou voo há 3 anos e desde então só vem conquistando cada vez mais fãs pelo globo.  

O start foi quando as três moravam em Londres e resolveram unir a paixão por moda à criatividade que vem de fábrica. Alessandra é formada em arquitetura e moda, além da modelagem impecável, são dela também os desenhos de aquarela das estampas da marca. Juliana, a irmã caçula, é jornalista especializada em documentários, que tornou-se RP e responsável por mídias sociais. Já a amiga e sócia Maya é designer, que dá o toque final nas estampas, digitalizando-as, além de cuidar de toda identidade visual da Isolda.

Atualmente, elas moram cada uma em uma cidade diferente. Alessandra está em Nova York, Juliana voltou para São Paulo e Maya está em Madri. Mas mesmo à distância elas tocam a marca com primor. Tudo é conversado por Skype, Facetime e Whatsapp. “Se não fosse por todas essas tecnologias, nossa marca não existiria!”, brinca Alessandra. Há quatro temporadas, no entanto, elas têm um ponto de encontro definitivo na vida real, o showroom que promovem em Paris durante a semana de moda francesa. Lá exibem a coleção para compradores, imprensa e convidados, como blogueiras e amigas que são porta-vozes da marca, entre elas, Harley Viera Newton, filha de Cristina Viera Newton. Trata-se de uma estratégia de sucesso, pois estando na capital da moda quando todos estão lá, acabaram atraindo boas críticas e pontos de venda espalhados pelo mundo. Hoje estão no Kuait, na Arábia Saudita, na Rússia, no Japão, nos Estados Unidos e no Reino Unido, fora os e-commerces que vendem para o mundo todo, como o Moda Operandi e o Farfetch.

A produção é igualmente globalizada: as peças são estampadas em Londres, costuradas em Nova York e depois vêm para o Brasil para serem finalizadas. “O desafio ainda é achar modelistas e costureiras boas no Brasil, esse é um ramo da produção que se enfraqueceu nos últimos anos”, explica Alessandra sobre as principais dificuldades em produzir tudo no país.

Alessandra começou criando joias, mas aos poucos foi se inserindo na moda. Seus prints coloridos ganharam o coração das it-girls com motivos que vem diretamente da infância dela na Bahia e no Rio de Janeiro. São misturas entre frutas tropicais, flores, o calçadão de Ipanema, pimentas e, agora, na última coleção da Isolda que foi apresentada em São Paulo, o tema são trepadeiras de uva e flores dama da noite. “Acho que nosso ponto forte é essa atmosfera handmade, que acolhe. E ao mesmo tempo tentamos levar esse clima também na maneira que nos comunicamos com nossos clientes”, conta Juliana.

No Instagram, por exemplo, a atuação delas é intensa e direta. Estão sempre fazendo eventos e republicando looks das mulheres que usam a marca. Estas são escolhidas a dedo, Alessandra e Juliana querem passar uma imagem não apenas de moças bonitas com suas roupas, mas também de mulheres descoladas e com conteúdo, que gostam de arte e sabem combinar um vestido de seda com um tênis All-Star de cano alto. Conectadas, alto astral e com roupas bonitas e bem feitas... Dá para entender que o sucesso não veio à toa.