Quem é Jane Fonda, mamãe?

Courtney Rubin - O Estado de S.Paulo

Aulas de ginástica para crianças

Academias de luxo têm cada vez mais crianças e adolescentes como clientes

Academias de luxo têm cada vez mais crianças e adolescentes como clientes Foto: NYT

Quando Catherine Rocco inaugurou a Exceed Physical Culture, no Upper East Side, em 2012, ela queria que as aulas de ginástica, com exercícios de pular corda, pendurar-se em barras e exercitar-se com pesos, constituíssem uma espécie de playground para adultos em busca da boa forma. Entretanto, observou que nas horas de pouco movimento, no fim de tarde, os personal trainers da academia tinham clientes que ela nem imaginara: crianças de 8 anos.

“É engraçado, por outro lado, esta é Nova York”, disse Catherine referindo-se à nova clientela. Ela e o outro proprietário da academia, Ed Cashin, decidiram oferecer uma aula para crianças dos 8 aos 13 anos (os três filhos dela entram nesta categoria), que rapidamente se ampliou para cinco aulas semanais somente para crianças, e uma aula para as famílias aos sábados.

Ao contrário dos adultos, as crianças não usam kettlebells. Elas preferem movimentos com o corpo todo como pular sobre meias bolas Bosu de Pilates, com um lado achatado. E elas se mostram um pouco mais animadas do que os adultos para subir por uma corda de 3,5 metros de comprimento, e tocar o sino lá no alto.

“Se você tem um filho de 9 anos, vive numa cidade grande e ele não quer jogar futebol, esta é uma coisa muito boa para ele”, disse Catherine, que inaugurou um salão em TriBeCa, também com aulas para crianças,. “Esta é uma maneira de ter aquela sensação de realização e de praticar esporte sem fazer parte de um time”.

Na AKT in Motion, academia que cuida da atividade cardiovascular preferido pelas atrizes Sarah Jessica Parker e Sofia Vergara

Na AKT in Motion, academia que cuida da atividade cardiovascular preferido pelas atrizes Sarah Jessica Parker e Sofia Vergara Foto: NYT

As academias, como Zumba e CrossFit, recentemente fizeram um grande negócio ao aceitar crianças entre seus clientes. Agora, os proprietários de academias butiques estão capitalizando a coincidência da redução do tempo dedicado à educação física nas escolas com as horas mortas nas academias, no final da tarde, para atender a uma nova geração de clientes dispostos a pagar US$ 30 e até mais por uma aula e a incorporar o estilo de vida que acompanha esta atividade. (Embora as vendas para adultos estejam em queda na Lululemon, que fornece calções a US$ 100, a marca infantil da companhia, a Ivivva, registra há vários trimestres um crescimento de dois dígitos, segundo dados divulgados pela companhia.)

Em 2011, a Shred 415, uma empresa de Chicago que alterna exercícios na esteira com treinamento de força, começou a oferecer programas para crianças e adolescentes quando suas proprietárias, ambas mães, se deram conta da oportunidade. (A Academia Americana de Pediatria afirma que o levantamento de pesos leves, feito da maneira correta, é bom a partir dos 7 ou 8 anos.) O AKT in Motion, a academia que cuida da atividade cardiovascular preferido pelas atrizes Sarah Jessica Parker e Sofia Vergara, testou a inclusão de aulas para crianças em abril, começando com séries regulares de oito semanas de aulas (US$ 400) em setembro, no Upper East Side.

Será que o objetivo do AK Tweens é formar a clientela para as aulas regulares no AKT in Motion? “Sem dúvida”, disse Anna Kaiser, a proprietária da academia, cuja filha de 13 anos está se preparando para dar o salto.

A SoulCycle, uma cadeia de academias de bicicleta, inicialmente reservou horários especiais para adolescentes de 12-14 anos (acima disso, eles preferem assistir a aulas regulares) como uma forma de atividade física depois da escola a pedido da Dwight School, do Upper West Side. A SoulTeen, a US$ 34, que dá aulas a qualquer criança com pelo menos 12 anos e 1,5 metro de altura, posteriormente se mudou para o Upper East Side. Por solicitação das mães do bairro de Brentwood de Los Angeles, a companhia começou a oferecer aulas, depois da escola, às 16:15, duas vezes por semana, o que rapidamente se tornou uma atividade de cinco dias semanais. As vagas se esgotam em poucos minutos. A SoulCycle também tem espaço para a realização de bar e bat mitzvah, às vezes, para a realização da cerimônia em si, e outras vezes para eventos beneficentes para que os adolescentes cumpram uma obrigação do Mitzvah.

Bella Cuomo

Bella Cuomo Foto: NYT

Uma companhia chamada Momentum, fundada há um ano e meio, subloca as academias butiques em Westchester County, à tarde, para aulas de spinning, cardio kickboxing e boot camp para estudantes. O maior sucesso da companhia são as aulas para crianças da quinta à sétima série, antes que elas cresçam demais para assistir às aulas de adultos, e inclusive numa época em que estão querendo desistir dos esportes em equipe, considerados demasiado competitivos ou muito exigentes em matéria de horário.

Os três filhos de Michele Minick ainda jogam futebol, mas ela as manda para os campos de treino da Momentum, fora de temporada. “Por mais valiosos que importantes que sejam os esportes em equipe”, ela disse, “é fundamental que elas aprendam a se manter em forma individualmente”.

Nas aulas de spin da Momentum no Studio 14 de Port Chester, Nova York, os vídeos de música são projetados nas paredes enquanto o instrutor sugere: “Esqueçam tudo o que aconteceu na escola hoje. Esqueçam a lição de casa”.

Dois outros instrutores corrigem a postura e atendem às perguntas dos alunos. “O pessoal de 10 anos, joga a toalha no chão e não se abaixam para recolhê-la”, disse Kori Sassower, uma das proprietárias da Momentum mãe de três filhos.

Madison Mackin, 12, começou a ter aulas na Momentum quando tinha 11.Agora está numa idade suficiente para ter aulas de spin nas academias mais para adultos (em geral para alunos de no mínimo 12 anos ), mas ainda prefere a aula só para crianças à da LifeTime para onde a mãe a leva.”Ela odiou, mas talvez porque eu estava na bicicleta ao lado dela”, disse Ilyssa Mackin, a mãe. Madison explicou: “Era para pessoas mais velhas. Eles não tocam músicas deste século”. (Sua mãe retrucou: “Acho que você quer dizer ‘década’ ”.) A música ambiente, sempre mais suave do que nas aulas para adultos, é talvez o maior problema de qualquer studio.

Recentemente, numa aula da AKT in Motion, Grace Gerstner, 11, perguntou várias vezes: “Podem tocar uma música agora?” (Não há música durante as explicações iniciais.) Ela então pediu Dracula, de Bea Miller, 15, que não estava no repertório da academia onde só há Pharrell Williams e Bruno Mars.