Os oito melhores momentos da Semana Alta Costura de Paris

Vanessa Friedman - O Estado de S.Paulo

A casa criada por Karl Lagerfeld, o cachorrinho de Cara Delevingne, a abundância de tule e brocados e outros fatos marcantes da temporada

Na Chanel, uma casa escandinava minimalista liberava modelos em uma passarela em cima da grama, a melhor maneira de emoldurar uma coleção que servia como um simpósio do poder decorativo extraordinário da madeira.

Na Chanel, uma casa escandinava minimalista liberava modelos em uma passarela em cima da grama, a melhor maneira de emoldurar uma coleção que servia como um simpósio do poder decorativo extraordinário da madeira. Foto: NYTimes

1. A eco-costura da Chanel

Quem precisa de plumas e cristais quando se tem... madeira? A reciclagem atingiu novos níveis na coleção de Karl Lagerfeld para a Chanel. As modelos saíam de uma casa escandinava minimalista e desfilavam em uma passarela em cima da grama. Foi a melhor maneira de emoldurar uma coleção que servia como um simpósio do poder decorativo extraordinário da madeira: raspada, frisada, recortada e de certa maneira transformada no mais delicado adorno para terninhos e vestidos de chiffon. Até mesmo a noiva tinha raspas de madeira aplicadas em seu vestido de renda.

2. Colisão de modelos

Não são só sapatos com saltos vertiginosos que apresentam riscos na passarela. A dupla holandesa Viktor &Rolf decidiu explorar o que acontece quando você tentar transformar uma modelo em uma obra de arte cubista ambulante. Uma resposta veio no fim do desfile, quando uma menina, dada a complicada missão de desfilar com o rosto coberto por um prato, errou ao virar e caiu na primeira fila. Por sorte, uma pessoa da plateia pulou para ajudá-la e ela conseguiu chegar ao backstage com segurança.

3. O artesanato de Valentino

As criações de Maria Grazia Chiuri e Pierpaolo Piccioli, esilistas da marca, traduziam um encontro do designer espanhol Mariano Fortuny, famoso por seus trabalhos artesanais em moda e móveis, com a bailarina Isadora Duncan. Os vestidos de veludo, tule, chifon e brocados foram uma celebração da beleza da imperfeição alcançada com o tempo. Um vestido levou 1800 horas para ser feito; outro, 2400 - no corpo, porém, pareciam absolutamente sem esforço.

Na Valentino, vestidos de veludo, tule, chifon e brocados foram uma celebração da beleza da imperfeição alcançada com o tempo.

Na Valentino, vestidos de veludo, tule, chifon e brocados foram uma celebração da beleza da imperfeição alcançada com o tempo. Foto: Nowfashion

4. Alta costura esportiva

Chame-a de teoria do trickle up da moda (quando uma tendência parece "jorrar"): a atual fissura por roupas de ginástica transformou leggins no novo jeans e o visual de "ficar em casa" chegou à alta costura. Das calças de montaria e vestidos de corrida da Versace às jaquetas de baseball da Armani, os estilistas estão começando se exercitar.

 

5. O cachorro de Cara Delevingne

O acessório que Cara Delevingne usou na primeira fila do desfile da Chanel foi seu cachorrinho de quatro meses. Ele roubou a cena ao, de acordo com sua dona, morder o protetor de dedo de Karl Lagerfeld quando se conheceram no backstage. O cãozinho ainda  marcou o território no gramado que a Chanel plantou no Grand Palais. Talvez sobrecarregado por ansiedade, no entando, sem mencionar a multidão, ele desistiu de sentar junto com a dona, e assistiu a todo desfile do backstage.

O acessório que Cara Delevingne usou na primeira fila do desfile da Chanel foi seu cachorrinho de quatro meses. 

O acessório que Cara Delevingne usou na primeira fila do desfile da Chanel foi seu cachorrinho de quatro meses.  Foto: Landon Nordeman for The New York Times

 

6. A festa de Jean Paul Gaultier

O estilista escolheu ambientar sua coleção de primavera no mundo do Le Palace, boate famosa dos anos 1980 de Paris, onde Grace Jones uma vez cantou "La Vie en Rose" sentada em uma Harley-Davidson rosa. As roupas acompanhavam a mensagem, assim como os cigarros e as taças de champagne que as modelos carregavam como acessórios. A trilha sonora tinha "Salve to the Rhythm", cantada por Grace, "Psycho Killer", do Talking Heads, e London Calling, do The Clash, entre outras. No fim do desfile, as portas da boate se abriram para mostrar as modelos e Gaultier dançando ao som de Joy Division.

 

7. Um preview dos tapetes vermelhos

A proximidade da temporada e do Oscar (o evento ocorre no fim do mês), além da exclusividade dos vestidos, torna os desfiles uma fonte natural para produções do tapete vermelho - especialmente quando se trata de marcas que viraram queridinhas de celebridades. Como resultado, uma das formas favoritas dos convidados para passar o tempo era brincar com o jogo da passarela: adivinha qual vai ser o vestido do Oscar?

 

8. Botas feitas para caminhar

Esqueça os sneakers que se tornaram febre recentemente. As botas foram as opções em desfiles como o de Bouchra Jarrar, no qual uma parceria com Christian Louboutin resultou em coturnos de píton com correntes de ouro. Também apareceram na passarela da Maison Margiela - John Galliano combinou camurça e plástico, píton dourada e glitter verde, e marchetaria incrustada para dar nova vida às tradicionais botas de montaria. Até mesmo Elie Saab usou adornos de correntes prateadas e franjas em seus coturnos de couro. 

 As botas foram as opções em desfiles como o da Maison Margiela, no qual John Galliano combinou camurça e plástico, píton dourada e glitter verde, e marchetaria incrustada para dar nova vida às tradicionais botas de montaria. 

 As botas foram as opções em desfiles como o da Maison Margiela, no qual John Galliano combinou camurça e plástico, píton dourada e glitter verde, e marchetaria incrustada para dar nova vida às tradicionais botas de montaria.  Foto: NYTimes