"Nós acreditamos no Brasil", diz diretor geral de grife italiana

Jorge Grimberg - O Estado de S.Paulo

Claudio Castiglione, da Tod's, fala dos desafios de operar no Brasil e da necessidade de focar em serviços de qualidade no cenário nacional

O empresário Claudio Castiglioni, da Tod's, que acompanhou a transformação da empresa de marca de sapatos e bolsas em uma grife completa 

O empresário Claudio Castiglioni, da Tod's, que acompanhou a transformação da empresa de marca de sapatos e bolsas em uma grife completa  Foto: Divulgação/Tod's

Claudio Castiglioni é um homem de visão. Na grife italiana Tod's há 30 anos, o empresário acompanhou a transformação da empresa de marca de sapatos e bolsas em uma grife completa de lifestyle, com roupas e acessórios. 

A grife, que tornou-se mundialmente conhecida por seu clássico mocassim, passou a incorporar coleções completas na semana de moda de Milão em 2013, com a estilista Alessandra Fachinetti, ex-Gucci e Valentino, à frente do design feminino. "Nós estamos elevando a nossa identidade, mas acrescentando cultura e transformando a empresa em uma grife de lifestyle", diz Castiglione. 

Detalhes do tradicional mocassim da Tod's, carro chefe da marca

Detalhes do tradicional mocassim da Tod's, carro chefe da marca Foto: Divulgação

Esse movimento não é novo na Itália. Marcas como Gucci e Salvatore Ferragamo passaram por movimentos similares no passado. A Gucci era uma empresa familiar, com foco em malas de viagem e bolsas, enquanto a Ferragamo era especialista em sapatos de alta qualidade. Ambas expandiram seus horizontes e sua gama de produtos e clientes. "Existe um entendimento belo do estilo de vida italiano e temos uma visão muito clara de quem somos e onde queremos chegar", afirma Castiglioni.

Além dos desfiles em Milão, a Tod's está criando boutiques que representem o estilo particular das capitais onde abrem lojas. "Em Miami, no Design District, a loja se transforma em galeria de arte por meio de paredes removíveis e um túnel. Em Roma, no centro antigo, é um palácio. Você sente o cheiro da história da Itália e os elementos históricos na decoração", conta o empresário, com os olhos brilhando. "Nós temos sorte porque muitas empresas enfrentam uma realidade de trocar de diretores criativos o tempo todo e mudar a direção da marca. Nós sabemos quem somos e onde queremos chegar", diz o diretor. 

 

O artesão Fabrizio Vita veio da Itália mostrar os processos manuais da Tod's. Com Costanza Pascolato no Shopping JK. 

O artesão Fabrizio Vita veio da Itália mostrar os processos manuais da Tod's. Com Costanza Pascolato no Shopping JK.  Foto: Divulgação

No Brasil, a Tod's opera somente com duas lojas e não está muito preocupada com a crise econômica. "Nós começamos a operação no Brasil em 2013. Comparados com outras marcas, nosso negócio é muito pequeno. Estamos nos adaptando e nos aperfeiçoando"

Nesta semana, a empresa fincou o pés no Brasil em uma semana repleta de eventos, que terminou com um coquetel no Shopping JK Iguatemi, com um dos artesãos da marca. "Os italianos e os brasileiros são muito parecidos. Nós trouxemos um dos nossos melhores artesãos da Itália para mostrar para o nosso trabalho manual. É um trabalho de amor", diz Castiglione. 

Quando questionado se a marca acredita no futuro do Brasil, a resposta não poderia ter sido mais clara: "Nós estamos aqui, não estamos? E isso é só o começo. Eu seria inocente de dizer que estamos super otimistas, mas iremos focar em consolidar o que construímos até agora, em treinar a equipe para oferecer o melhor serviço possível, acertar em produto e corrigir o que aprendemos. Concentrando no que temos agora. Nós acreditamos no Brasil".