'Pessoas com a mente limitada não vão me tirar desse sonho', diz Miss Brasil 2017

Anna Rombino - Especial para O Estado de S. Paulo

Em entrevista ao E+, Monalysa Alcântara fala sobre ataques racistas que sofreu na internet, beleza da mulher negra e preparativos para o Miss Universo

Monalysa Alcântara era a representante do Piauí no Miss Brasil

Monalysa Alcântara era a representante do Piauí no Miss Brasil Foto: Miss Brasil BE Emotion 2017/Divulgação

Desde sábado, 19, a vida da estudante Monalysa Alcântara, de 18 anos, virou de cabeça para baixo. A piauiense foi a ganhadora do Miss Brasil BE Emotion  2017, e se prepara agora para representar o Brasil no Miss Universo, que ainda não tem data para ocorrer.

Em entrevista ao E+, Monalysa falou sobre suas expectativas para o concurso e a beleza da mulher negra, e mandou um recado para os internautas que estão fazendo comentários racistas sobre ela: "não serão pessoas com a mente pequena e limitada que vão me tirar desse sonho." 

Confira. 

Quais são seus planos e expectativas para o Miss Universo?

Eu sempre acreditei no meu potencial, mesmo muitas vezes o mundo dizendo o contrário. Eu vou lutar, vou me preparar e vou representar muito bem meu país; estou disposta e determinada e irei transmitir essa energia como fiz no Miss Brasil BE Emotion.

Você é a terceira Miss Brasil negra na história. Como se sente quanto a isso?

As referências de grandes mulheres negras só crescem e eu me sinto orgulhosa por, hoje, também contribuir e ser inspiração para muitas meninas.

O que você diria para os internautas que fizeram comentários racistas sobre você?

Eu realmente não me deixo contaminar com essa energia ruim, preconceituosa e mesquinha. Estou em um momento muito feliz da minha vida, eu estou fazendo história não só no Brasil, mas no meu Piauí. E todos esses ataques mostram que o racismo existe sim, que ele não é velado, e que precisamos combater. Estou preparada para lidar com isso e o racismo só prova que minha luta deve e merece ser reconhecida e falada; não só por mim, mas por todo o Brasil. Eu acredito no meu potencial e não serão pessoas com a mente pequena e limitada que vão me tirar desse sonho. Lutei muito para ser Miss Brasil BE Emotion.

Você tomará medidas legais?

Tudo isso está sendo muito direto, de forma bem forte e agressiva. Mas, no momento, estou bem focada e determinada a me preparar para o Miss Universo. Existe uma lei para o amparo de quem sofre ataques de racismo. Caso continue, entrarei sim com as medidas legais a que tenho direito.

Estamos falando muito de cabelos crespos e cacheados atualmente, e você participou do concurso com os fios naturais. Você sempre teve uma boa relação com o cabelo ou precisou de tempo para aceitar sua beleza?

Eu sempre gostei do meu cabelo, mas por conta de preconceito na escola, piadinhas e até por não saber mesmo cuidar e tratar do cabelo cacheado, eu acabei alisando os fios quando eu tinha 12 anos de idade. Eu procurei na Internet várias saídas, vários vídeos para poder usar os fios de forma natural. Hoje eu sou muito feliz com os meus cachos, porém, nem sempre foi assim. 

Você acha que serve de espelho para meninas mais novas? 

 Acredito, sim, que posso ser espelho para as meninas mais novas. Quando nós sabemos quem somos de verdade, os obstáculos são mais fáceis de serem superados.

Você se considera feminista?

A igualdade e o respeito de gênero deveriam ser naturais... Mas, se lutar e acreditar nos direitos das mulheres é ser feminista, sim, eu sou.

Veja 10 curiosidades sobre o Miss Brasil: