Na Suécia, pais são obrigados a tirar 3 meses de licença-paternidade

- O Estado de S.Paulo

Regra entrou em vigor no dia 1º de janeiro

A Suécia foi o primeiro país do mundo a conceder o beneficio de licença remunerada a ambos os pais, em 1974. Na época, a ideia era que casais recebessem seis meses de licença, a serem divididos igualmente.

Na prática, os homens acabavam transferindo o período de licença para as mães. Até que, em 1995, foi criada uma cota obrigatória para os pais, de 30 dias. Caso eles não usassem a licença, o período seria perdido para ambos os pais.

Agora, o país europeu deu outro passo para promover a igualdade de gêneros na criação dos filhos. Desde 1º de janeiro, os pais têm uma cota obrigatória de 90 dias para passar com o bebê. Pela nova regra, apenas o pai pode usar seus três meses de licença. 

Na Suécia, pais agora devem tirar 90 dias de licença 

Na Suécia, pais agora devem tirar 90 dias de licença  Foto: Richard Leeming / Creative Commons

De acordo com o portal sueco The Local, a proporção de dias de licença retirados pelos pais tem aumentado nos últimos anos. Em 1999, homens eram responsáveis por 11,3% dos dias disponíveis para o casal. Em 2014, o número subiu para 24,9%.

No Brasil, os pais têm direito a cinco dias de licença-paternidade remunerada. Alguns projetos de lei tramitam no Congresso Nacional com o intuito de aumentar o prazo. Mães têm direito a 120 dias, no setor privado, sem prejuízo de salário. O prazo pode ser estendido para seis meses em certas categorias do setor público.

Gabi Menashe/Creative Commons
Ver Galeria 13

13 imagens