Mostra em São Paulo revela técnicas artesanais da Hermès

Giovana Romani - O Estado de S.Paulo

Em cartaz na Faap até 7 de junho, o Festival des Mètiers mostra os métodos e as minúcias da produção de bolsas, lenços, relógios e outros ícones da grife francesa

Vindos dos ateliês da Hermès na França, artesãos confeccionarão peças ao vivo

Vindos dos ateliês da Hermès na França, artesãos confeccionarão peças ao vivo Foto: Giovana Romani/Estadão

O universo do alto luxo pode ser caracterizado por pelo menos três fatores que justificam os altos preços das peças: a exclusividade, a excelente qualidade da matéria prima e a confecção artesanal com técnica exímia. Uma das grifes mais tradicionais do mundo, a francesa Hermès prova possuir todos esses elementos no Festival des Mètiers, aberto ao público nesta sexta, 29, na Faap, em São Paulo. Em um belo cenário contemporâneo criado pela designer milanesa Paola Navone, artesãos vindos dos ateliês da marca em Paris e Lyon produzem ao vivo bolsas, lenços, gravatas, relógios, joias, selas e porcelanas que são ícones da Hermès.

Giovana Romani/Estadão
Ver Galeria 4

4 imagens

Observá-los em ação e conhecer as minúcias do trabalho impressiona. A estampa dos lenços de seda, por exemplo, é feita em uma placa plana em um processo de pintura complexo, com camadas de tinta que vão do desenho menor para o maior, e da cor mais escura para a mais clara. Uma única peça pode levar quatro horas para ficar pronta. Tempo razoável, se comparado ao que se leva para montar a famosa bolsa Kelly (que recebeu este nome por ser a preferida da atriz e princesa Grace Kelly): dois dias e meio de trabalho de um artesão. 

Após o corte do couro ser feito em equipamentos de última geração e as costuras mais simples na máquina, o profissional realiza o acabamento a mão e usa um martelinho para furar o material e colocar o fecho e os pinos na parte de baixo da peça. Durante a confecção das peças, os artesãos explica suas técnicas, respondem às perguntas dos visitantes e contam com a tradução de estudantes de arte da Faap fluentes na língua francesa. Com entrada gratuita, a exposição fica em cartaz até o dia 7 de junho e vale a visita.