Modelo da Victoria's Secret denuncia revista que a obrigou a posar nua

Redação - O Estado de S.Paulo

Sara Sampaio fez um relato contando que uma publicação francesa usou suas imagens sem autorização

Sara Sampaio fez relato do que ocorreu nas fotos da revista Lui em seu Instagram

Sara Sampaio fez relato do que ocorreu nas fotos da revista Lui em seu Instagram Foto: Instagram.com/@sarasampaio

Desde que atrizes começaram a expor episódios de assédio sexual cometidos pelo produtor de cinema norte-americano Harvey Weinstein, no começo de outubro, mulheres de todo o mundo se uniram para denunciar situações vexatórias que passaram no ambiente de trabalho. 

Agora, Sara Sampaio, que é uma das 'Angels' da Victoria's Secret, usou o Instagram para expor uma revista que a obrigou a posar nua e usou suas imagens sem autorização, mesmo com uma cláusula de não-nudezem seu contrato. 

A top portuguesa contou que, durante a sessão de fotos de capa da edição de outono da revista francesa Lui, foi pressionada a mostrar os seios e, mesmo tentando se cobrir o máximo possível, em algumas imagens seu corpo foi revelado mais do que o combinado e ela pediu para estas fotos não serem veiculadas, mas elas foram impressas na capa e no recheio da publicação. 

"Só porque eu posei nua no passado, não dá não dá a ninguém o direito de presumir que eu o farei de novo, sob qualquer circunstância", escreveu. "Tenho direito de mostrar meu corpo como, quando, onde e por que eu decidir." 

Leia o relato: 

"Hoje, me sinto obrigada a compartilhar minha experiência recente com a revista masculina francesa Lui. Quero que cada modelo e cada mulher saiba que elas têm o direito de fazer suas próprias escolhas quando diz respeito a seus corpos e imagens. 

Concordei em fazer a capa da edição de outono da Lui, sob a condição de que não teria nudez. Minha agência e eu insistimos para ter um acordo claro que me protegesse e garantisse que a escolha que fiz seria cumprida. 

Apesar da cláusula de 'não nudez' em meu contrato com a Lui, fui agressivamente pressionada a fazer fotos sem roupa no set, sendo questionado sobre por que não queria mostrar meus mamilos ou ficar completamente nua. Durante o dia de fotos, tive que me defender constantemente e reiterar meus limites, tentando me cobrir o máximo que pude. Enquanto estávamos revisando as imagens feitas, percebi que, em algumas, foram expostas partes do meu corpo que eu não queria que fossem. Conversei e me garantiram que estas fotos não seriam usadas. A revista mentiu e as publicou, e, na foto de capa, estou nua, o que foi uma violação clara de nosso acordo. 

Assim como muitas modelos, eu tive experiências negativas no passado, quando me senti obrigada a posar nua. Em diversas ocasiões, em que no shooting não haveria nudez, chegava no set e o fotógrafo ou o stylist me pressionavam, persuadiam ou me obrigavam a fazer isso porque já havia posado assim no passado. Eu sofri bullying. Muitas vezes, me mostraram fotos minhas sem roupa como exemplo para me coagir a fazê-lo novamente e, quando eu mantinha minha opinião e me recusava, era criticada e julgada como uma pessoal difícil com quem se trabalhar.

Estou confortável com meu corpo e com a nudez em circustâncias que julgo uma forma de arte - este processo acontece naturalmente, é muito bem pensado, criativo e colaborativo. Em toda a minha carreira, fui muito seletiva em quando e como posar nua. Só porque consenti no passado, não dá a ninguém o direito de presumir que eu o farei de novo, sob qualquer circunstância. Tenho direito de mostrar meu corpo como, quando, onde e porque eu decidir. É minha escolha. E quando faço esta escolha, espero ser tratada com respeito e profissionalismo. 

Desde que a revista foi lançada, tenho trabalhado com minha agência e com meus advogados para tomar medidas legais contra a Lui. O que eles fizeram comigo é inaceitável. Quero fazer o que puder para previnir que isso aconteça de novo comigo e com outras. Infelizmente, isso não é um incidente isolado, e não estou sozinha. Enquanto as modelos continuarem a compartilhar suas experiências angustiantes, o bullying e os abusos que ocorrem sistematicamente na indústria da moda serão expostos. 

Como modelos e como mulheres, nós precisamos nos unir e exigir o respeito que merecemos. Temos o direito de fazer nossas escolhar individuais sobre nossos corpos, nossa imagem e nossas vidas."