Miss America acaba com desfile de roupas de banho na competição

Matthew Haag - The New York Times

Novidade no evento é para se adequar a 'revolução cultural'

O desfile de biquíni é uma parte tradicional dos concursos de miss

O desfile de biquíni é uma parte tradicional dos concursos de miss Foto: REUTERS/Mark Makela/File Photo

Por quase um século, as competidoras do Miss America subiram no palco e fizeram poses e mais poses em roupas de banho cada vez menores, uma tradição que foi defendida por muito tempo pelos organizadores por ser uma forma de julgar a forma física das meninas. 

Mas, finalmente, o biquíni foi banido. A Miss America Organization, tentando achar o seu lugar na era #MeToo, anunciou nesta terça, 5, que a partir da próxima edição do concurso, em setembro, o desfile de roupas de banho será banido. 

"Não iremos mais julgá-las pela aparência externa", explica Gretchen Carlson, presidente da organização do evento. "Queremos que mais mulheres se sintam acolhidas por nós." 

Gretchen assumiu um papel importante na luta pelo direito das mulheres após acusar, em 2016, Roger Ailes, então presidente da Fox, de assédio sexual. Ela também explica que a competição irá focar mais nos talentos, ideias e na inteligência das competidoras. "Estamos avançando e nos adequando a esta revolução cultural", continua Gretchen, que venceu o concurso em 1989. 

Ainda não está claro como que as mudanças do Miss America irão afetar os concursos menores, que elegem as representantes de cada estado. 

A Miss America Organization passou por mudanças rápidas nos últimos seis meses. Carlson foi nomeada presidente em janeiro e sete dos nove membros do conselho são mulheres. 

As reformas ocorreram após um escândalo em dezembro, quando foram revelados emails que provavam que Sam Haskell, ex-CEO da organização, tinha feito comentários misóginos e desrespeitosos sobre as competidoras. O Miss America também enfrenta um problema de audiência, já que as pessoas estão se afastando cada vez mais de programas televisionados.