Michael Kors compra Versace por 2,1 bilhões de dólares

Michael J. de la Merced - The New York Times

Marca norte-americana dá mais um passo para se tornar um conglomerado de moda mundial

Modelos nos bastidores do desfile da Versace em 21 de setembro

Modelos nos bastidores do desfile da Versace em 21 de setembro Foto: Valerio Mezzanotti/The New York Times

A Michael Kors Holdings Ltda. anunciou nesta terça, 25, que irá comprar a Versace por 2,1 bilhões de dólares, uma iniciativa que desafia os conglomerados de luxo europeus. 

O acordo, que acaba com a independência de um das mais importantes grifes do mundo, é o maior esforço até agora de Kors em construir um império. Recentemente, a empresa decidiu se afastar do seu nicho de luxo "acessível", já que tradicionalmente era vendida em outlets e lojas de departamento, nas quais grandes descontos são comuns. 

Agora, ela tenta se estabelecer no mercado de alto luxo. No ano passado, comprou a Jimmy Choo por 896 milhões de libras, aproximadamente 1,2 bilhões de dólares. Versace, que é conhecida por seus elegantes vestidos de noite vendidos por centenas de dólares, ajuda a Michael Kors a continuar nesta direção. Também aumenta sua presença na Europa e especialmente na Ásia. 

É a mais recente forma de consolidação na indústria na moda, quando os mais tradicionais conquistam marcas menores. Este ano, a Ermenegildo Zegna comprou a Thom Browne e a Puig adquiriu a maior parte da Dries Van Noten. 

A Versace, que era uma empresa familiar desde sua fundação, há muito tempo é considerada um bom alvo para acordos. Em 2014, o grupo Blackstone adquiriu 20% da companhia, que já estava explorando a abertura de capital há anos. 

Da esquerda para a direita: Jonathan Akeroyd, CEO da Versace, Donatella Versace, e o CEO da Michael Kors, John D. Idol

Da esquerda para a direita: Jonathan Akeroyd, CEO da Versace, Donatella Versace, e o CEO da Michael Kors, John D. Idol Foto: Rahi Rezvani/Michael Kors Holdings Ltd. via AP

Segundo os termos da transação assinada nesta terça, a Blackstone irá vender a empresa inteira, mas a família Versace irá continuar como acionista e Jonathan Akeroyd, CEO da marca, continuará nesta posição. Kors disse em anúncio que que suas metas para a grife italiana incluem o crescimento da marca para 2 bilhões, aumentar o número de lojas e expandir as operações online. 

"Isso demonstra nossa crença no sucesso a longo prazo da Versace e o compromisso com este novo grupo global de moda de luxo", declara Donatella Versace em comunicado. 

Os investidores da Michael Kors parecem duvidar desta estratégia. As ações da empresa caíram mais de 8% na segunda, 24, quando começaram os rumores sobre a compra, e subiram 1,4% no pregão de terça. 

Para refletir sua crescente coleção de marcas de troféus, a Michael Kors disse que mudaria seu nome para Capri Holdings Ltd. O acordo com a Versace foi concluído. O novo nome, tirado de uma ilha italiana, deveria refletir a ênfase da grife nos EUA no glamour e no luxo - e não enfatizar a dependência de apenas uma marca.