Marca é acusada de fazer apologia ao nazismo em coleção

Redação - O Estado de S.Paulo

Em nota de esclarecimento, a Lança Perfume lamenta acusações e repudia 'nazismo e fascismo em todas as suas dimensões'

Peças trazem símbolos típicos do uniforme alemão da Segunda Guerra Mundial

Peças trazem símbolos típicos do uniforme alemão da Segunda Guerra Mundial Foto: Instagram/@lancaperfume

A marca catarinense Lança Perfume está sendo acusada de fazer apologia ao nazismo em sua coleção de inverno 2018. Com o tema Uma Noite em Berlim, as peças trazem referências do uniforme militar alemão usado durante a Segunda Guerra Mundial, além de símbolos como a Cruz de Ferro, condecoração característica dos tempos de guerra. Apesar de não ser considerada por si só “nazista”, a imagem era amplamente usada por oficiais do exército comandado por Adolf Hitler, muitas vezes contendo a suástica em seu centro.

Depois de receber uma série de comentários negativos nas redes sociais, a marca publicou uma nota de esclarecimento em que diz “lamentar as acusações realizadas com base em desconhecimento, desinformação e preconceito”. Ainda segundo o comunicado, a Lança Perfume afirma ter procurado “transmitir uma mensagem plural e elevada sobre a capital alemã e sua história”. Sobre o uso da Cruz de Ferro, maior alvo da revolta dos internautas, a etiqueta garante não ser um “símbolo nazista”, resgatando sua origem datada de 1813. 

No Twitter, usuários manifestaram indignação com as peças:

Na declaração oficial, a Lança Perfume afirma ainda “repudiar o nazismo e o fascismo em todas as suas dimensões”. Confira abaixo o posicionamento da marca na íntegra.