Líder filipino defende empoderamento feminino em discurso para candidatas a Miss Universo

REUTERS - O Estado de S.Paulo

Rodrigo Duterte deixou os palavrões de lado e falou do alcance do concurso na segunda-feira, 23

Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, com as candidatas a Miss Universo.

Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, com as candidatas a Miss Universo. Foto: EFE/Ace Morandante / Handout

O líder polêmico Rodrigo Duterte normalmente faz discursos delirantes e improvisados, repletos de impropérios e ameaças de matar criminosos. Ele já insultou vários líderes mundiais, como o ex-presidente norte-americano Barack Obama e o papa Francisco.

Mas nesta segunda-feira o presidente das Filipinas se comportou, dando boas-vindas às mais de 80 participantes do concurso de beleza ao recebê-las no palácio presidencial na capital Manila. No dia 30 de janeiro as Filipinas irão sediar o Miss Universo pela terceira vez.

"Normalmente eu não leio meus discursos, realmente não sirvo para isso, mas desta vez... eles me disseram que devo me comportar em meu linguajar", disse ele às candidatas.

Críticos de Duterte o acusam de ser sexista e desrespeitoso com as mulheres. Em uma ocasião, ele comentou publicamente sobre o comprimento da saia da vice-presidente e seus joelhos.

Durante sua campanha, ele foi amplamente repudiado por um comentário grosseiro sobre o estupro e assassinato de uma missionária australiana em 1989.

Nesta segunda-feira, ele incentivou as candidatas a usarem o concurso para "promover o empoderamento das mulheres para uma audiência mais ampla".

A atual Miss Universo é a filipina-alemã Pia Alonzo Wurtzbach, a terceira vencedora das Filipinas.

Espera-se que a transmissão do concurso atraia meio bilhão de telespectadores de todo o mundo, de acordo com os organizadores.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vendeu a Organização Miss Universo à agência WME/IMG em 2015.