Labirintos e contos de fada na estreia de Maria Grazia Chiuri na alta costura da Dior

Johnny Cotton - Reuters

Vestidos esvoaçantes e floridos, capas e bordados detalhados se destacaram na passarela

Vestidos de tule e organza foram o ponto alto da coleção de alta costura da Dior 

Vestidos de tule e organza foram o ponto alto da coleção de alta costura da Dior  Foto: REUTERS/Gonzalo Fuentes

A estilista italiana Maria Grazia Chiuiri criou um universo de contos de fada para a sua estreia na Semana de Alta Costura à frente da Dior, que aconteceu na segunda, 23. A coleção, inspirada em labirintos, foi apresentada em um exuberante jardim montado no Museu Rodin, em Paris. 

Na primeira parte do desfile, o tradicional casaco preto da Dior apareceu com novas formas, como capa ou moletom com capuz, combinado com tops de renda, saias plissadas e calças pantacourt. Máscaras pretas transparentes, algumas com formato de borboleta, e acessórios de cabeça com penas completavam o visual.

Maria Grazia também apresentou uma seleção de vestidos brancos antes de ir para a parte mais lúdica da coleção, com tons claros de rosa, malva e cinza. Aplicações de flores enfeitaram vestidos de tule e organza, alguns deles tomara-que-caia, outros com alças spaghetti, assim como estampas de símbolos de tarô e estrelas.

Longos no estilo princesa vieram com muitas camadas de tecido sobrepostas e com detalhes em renda. As modelos também usaram cintos e colares bronze. Nesta parte do desfile, flores enfeitavam a cabeça das modelos, deixando o visual ainda mais romântico.  Também teve uma seção com longos metalizados e de veludo preto.