Fióti sobre caso de racismo: 'Não é exclusivo da SPFW, é uma questão estrutural'

Isadora de Almeida - Especial para O Estado de S. Paulo

Em conversa com Paulo Borges, idealizador do evento, rapper esclarece os fatos de terça-feira, 29. Veja o vídeo completo

Fióti e Paulo Borges

Fióti e Paulo Borges Foto: Reprodução/ Facebook/ SPFW

Nesta quinta-feira, 31, o caso de racismo que aconteceu durante o desfile da LAB, com o próprio dono da marca, Evandro Fióti, chegou à mídia e foi repercutido por diversos veículos. A princípio, o rapper e estilista preferiu não comentar sobre o assunto, porém, topou gravar um vídeo com o idealizador da Semana de Moda brasileira, Paulo Borges.

Fióti contou detalhes de como o segurança do evento o barrou, mesmo estando com a credencial certa para acessar a área. “Se fosse uma pessoa branca, isso não aconteceria”, pontua. Ele também revelou que o emprego da pessoa que o impediu de entrar no espaço também foi preservado, afinal, o problema não era pessoal: “O grande X da questão é que as empresas mudem a mentalidade das pessoas que trabalham para elas” disse ele, que ainda pediu para que os funcionários sejam direcionados a “tratar os seres humanos sem exclusão”. Paulo Borges ainda reforçou: “A questão não é a punição, é a educação”.

O produtor também disse que em nenhum momento tentou abafar o ocorrido: “O SPFW é uma plataforma que expande a notícia, não estamos aqui para esconder nada”. E também que faz questão de abrir o diálogo sobre questões raciais no país: “Estamos juntos contra esse tipo de preconceito, o SPFW abre portas para este tipo de discussão”.

Fióti fez questão de reafirmar que o problema não ocorre apenas durante o evento de moda: “A gente vive em um país racista e o evento acontece neste país. Vamos mirar a arma para nós mesmos e ver se o local onde vivemos também não é racista”. E finaliza: “Não vamos mais ficar calados sobre este tipo de situação. Foi racismo o que aconteceu”. Confira o vídeo completo abaixo.