Crise de 2008 motivou a moda da barba, segundo pesquisador; veja se vale a pena ter barba

Eduardo Vilas Bôas - O Estado de S.Paulo

Estudo britânico afirma que modismo pode estar chegando ao fim

Foto: Divulgação

Não precisa ser muito observador para perceber que as barbas tomaram os rostos dos homens. Jovens, executivos, alternativos, ela não está restrita a uma tribo ou perfil social. Aliás, você deve ter pelo menos um amigo que já se rendeu a essa moda! Mas, a dúvida que talvez você tenha agora é: vale a pena investir tempo, paciência e deixar a barba crescer?

 

Os homens já usaram barba em vários períodos da história. Os primitivos usavam-na para proteger-se do frio, os egípcios da realeza em sinal de status, enquanto seus sacerdotes depilavam-se para distanciar-se do aspecto animalesco do homem. Talvez a principal herança cultural quanto ao uso da barba esteja no legado cristão, pois durante a Idade Média os clérigos da Igreja Católica eram obrigados a se barbear para distinguir-se dos mulçumanos, judeus e católicos ortodoxos e, até mesmo, dos germânicos que invadiam o Império Romano.

Foto: Divulgação

 

Com a invenção das lâminas descartáveis no século XX, o culto do rosto liso predominou como sinal de higiene e civilidade. Mas, como todo comportamento social está fadado a ciclos de modismo, após a Grande Depressão de 1929, nos EUA, os homens retornam o uso da barba como um sinal da força masculina. E o mesmo parece ter acontecido novamente a partir da crise econômica de 2008.

 

Pois é, o pesquisador Rob Brooks, da Universidade de South Wales, na Austrália, publicou um estudo cientifico na revista Biology Letters, que aponta a crise econômica global como fator motivador para o resgate dos barbados. No Google, as pesquisas para o termo “beard” (barba) tem aumentado significativamente nos últimos anos, especialmente a partir de 2010 (boom dos smartphones).

 

O estudo, no entanto, diz que esse modismo pode estar chegando ao fim. Tradicionalmente essas tendências comportamentais duram ciclos de 30 anos, mas com o advento da internet (que massifica a estética, tornando-a ultrapassada de forma mais veloz) e o esvaziamento cultural das novas gerações, pode haver um encurtamento desse ciclo para aproximadamente 10 anos, ou seja, para Brooks estaríamos vivendo o ápice das barbas. 

Enquanto Brooks continua investigando o melhor tipo de barba para cada rosto e se existe uma relação direta entre a crise da Grécia e o uso de barbas pelos gregos, você continua com a dúvida: vale a pena investir tempo, paciência e deixar a barba crescer?

Divulgação
Ver Galeria 6

6 imagens

A resposta é sim! Além de tempo hábil para cultivar sua barba e aproveitar de seus benefícios, como não a ceifar diariamente, você pode ganhar uma imagem mais forte e criativa. E, acima de modismos, o mais importante é escolher o melhor desenho para o seu tipo de rosto e seu estilo pessoal.

 

E, claro meu amigo, barba malcuidada é ponto negativo, talvez seja melhor nem a ter....