Como nasce uma tendência?

Mariana Belley - O Estado de S.Paulo

Isham Sardouk, vice-presidente da WGSN, explica como uma agência colhe material para identificar o que teremos nas araras na próxima estação

Fila final do desfile da estilista Gloria Coelho durante a São Paulo Fashion Week Inverno 2015

Fila final do desfile da estilista Gloria Coelho durante a São Paulo Fashion Week Inverno 2015 Foto: JF Diorio/Estadão

É durante as semanas de moda que nós, consumidores, descobrimos o que despontará como tendência na próxima temporada. De acordo com o que revelou essa última São Paulo Fashion Week Inverno 2015, algumas certezas: o decote em V, amarrações na cintura, fendas, franjas e paetês e um jogo de comprimento baseado em modelagens típicas das décadas de 1960 e 1970. A repetição das apostas em diversos desfiles confirmam o que veremos nas araras na próxima estação. Mas essa repetição é apenas uma coincidência? 

Para Isham Sardouk, vice-presidente da WGSN, uma das maiores agências de previsão de tendências do mundo, não. "É um reflexo do Zeitgeist (espírito do tempo), mas não é algo óbvio. Se você olhar atentamente os desfiles, vai perceber que todas as tendências imagináveis aparecem em uma temporada, mas somente quando uma tendência se torna viral é que vamos ver o mesmo do mesmo por toda a parte, o que é o sinal de que a tendência está no seu apogeu."

Os responsáveis por esse trabalho de "caçar tendências" são os chamados "coolhunters", profissionais que identificam o que está prestes a virar febre, não só na moda, mas em outras áreas também. "Nossos prognósticos são a síntese de um enorme volume de informações que recolhemos e estudamos continuamente. Prever o que vai ser popular ou de sucesso é simplesmente um processo de observação apurada e detalhada do que ocorreu no passado e do que acontece no presente", explica Sardouk, que revelou quais são as próximas macro tendências que vêm por aí. Leia a entrevista.

Qual é o trabalho de um caçador de tendências?

A projeção de tendências tem a ver com as soluções de design para futuras coleções. Nossos prognósticos são a síntese de um enorme volume de informações que recolhemos e estudamos continuamente. São instrumentos de inspiração importantes para as empresas, para fazer isso temos uma tecnologia avançada e interativa. Damos nossos prognósticos com recomendações estratégicas e dados qualitativos para oferecer novas oportunidades de negócios, aumentar os sucessos e evitar erros que custem caro.

Como é a rotina de trabalho de uma agência de tendências?

Não há nada rotineiro no que fazemos, se houver rotina é um problema. A única rotina que temos é a paixão. Ter paixão pelo que se faz permite o sucesso. Prever o que vai ser popular ou de sucesso é simplesmente um processo de observação apurada e detalhada do que ocorreu no passado e do que acontece no presente. Nos baseamos na nossa expertise, criando evoluções lógicas para tudo que existe hoje. Às vezes prevemos tendências que não ocorreram no passado, explorando o que acontece no mundo artístico, na política, na música, no design e na área fashion. Não existe realmente um limite para nossa pesquisa: tudo varia muito, dependendo da demografia e o tipo de mercado que estamos tratando.

Como nasce uma tendência?

Observamos sinais, indicadores importantes, fragmentos e peças aqui e ali, e então depois de um tempo percebemos que há alguma coisa nova no ar, diferente do que vimos na moda presente, e isso seria o início de uma tendência. Nosso trabalho é um processo contínuo. Estamos sempre observando e analisando, mesmo à noite e nos fins de semana. Não há limite para quanto, onde e como pesquisamos tendências, todos os campos do design e desenvolvimento têm um papel vital na nossa pesquisa. Reunimos todas estas informações diariamente e muita coisa é postada no nosso site, em seguida, filtramos as informações, editamos e organizamos por gênero e mercado. A etapa final é apresentar aos nossos clientes uma opinião específica sobre como tudo isso terá impacto nos negócios e evoluirá no futuro.

Isham Sardouk é vice-presidente da WGSN

Isham Sardouk é vice-presidente da WGSN Foto: Divulgação

Quais são as próximas macro tendências?

Criar novas tensões com novos elementos, o abandono de procedimentos padronizados, permitindo que novas ideias sejam introduzidas no processo criativo, é assim que a criatividade realmente se desenvolve. As novas tendências macro que venho observando se desenvolvem em torno do mesmo princípio: o conceito de combinações bizarras para criar uma nova estética, onde futurismo se funde com primitivismo, as estruturas neolíticas são volumosas e sofisticadas ao mesmo tempo. A influência do esporte também está flertando com um mundo mais desconhecido de fantasia, ao mesmo tempo que a tendência nas roupas de alfaiataria continua a homenagear a indumentária de etiqueta, mas com uma certa diversão e uma aparência mais ousada. 

Em todas as semana de moda, observamos peças e acessórios similares em vários desfiles. Por que isto ocorre?

É um reflexo do Zeitgeist (espírito do tempo), mas não é algo tão óbvio. Se você olhar atentamente os desfiles, vai perceber que todas as tendências imagináveis aparecem em uma temporada, mas somente quando uma tendência se torna viral é que vamos ver o mesmo do mesmo por toda a parte, o que é o sinal de que a tendência está no seu apogeu. Então, ela acaba sendo adotada por aqueles que seguem a moda - e, mais tarde, pelos retardatários. Mas não me entenda mal, se você observa a mesma tendência surgindo em vários lugares, então precisa agir rápido e eficientemente, do contrário será tarde demais. 

Existe um 'caderno de tendências' que são fornecidos às marcas. Como é essa procura e como esse material é disponibilizado? É vendido?

Existe sim, o caderno de tendências faz parte dos serviços oferecidos pela WGSN Mindset, chamamos esse serviço de Ready Made. É um material especial, curado pelo time global, e a cada mês, desenvolvemos novos relatórios essenciais para a indústria da moda.