Como Kylie Jenner irá se tornar a mais jovem bilionária da história

Anna Rombino - Especial para O Estado de S. Paulo

Capa da 'Forbes' de agosto, a caçula do clã Kardashian acumula o patrimônio de 900 milhões de dólares

Kylie Jenner será a mais jovem bilionária por ganhos próprios

Kylie Jenner será a mais jovem bilionária por ganhos próprios Foto: REUTERS/Carlo Allegri

Se você acessa a internet com frequência, tem uma conta no Instagram ou está ligado no mundo das celebridades norte-americanas, com certeza já ouviu falar nas irmãs Kardashian/Jenner. Elas são riquíssimas, vivem viajando o mundo, adoram compartilhar selfies e tem um estilo muito característico e sensual. Kim Kardashian, a mais famosa delas, é casada com rapper Kanye West. Mas, se você não está tão ligado assim nesse mundo, talvez seja hora de prestar atenção nelas: Aos 20 anos, Kylie Jenner, a caçula da família, está prestes a se tornar a bilionária (por mérito próprio) mais jovem da história e está na capa da revista Forbes de agosto. 

Mas como ela chegou lá? Construindo um império no mundo da beleza, a Kylie Cosmetics. Kylie é a filha mais nova da empresária Kris e Caitlyn Jenner e cresceu em frente às câmeras do reality show Keeping Up With The Kardashians, que estreou quando ela tinha apenas 10 anos. 

Enquanto as irmãs mais velhas (Kourtney, Kim e Khloé) tinham os seus próprios dramas pessoais, as caçulas eram vistas como um ponto cômico do programa e, aos poucos, foram se tornando referência entre o público jovem. Kendall, que é dois anos mais velha, decidiu apostar na carreira de modelo, enquanto Kylie ficou à deriva sem ter um nicho só seu, e era apenas reconhecida pelo público adolescente por ter uma conta no Tumblr. 

O ponto de virada para Kylie foi em 2014, quando começou a aparecer com os lábios mais inchados. Nesta época, ela já era ícone fashion e seu cabelo azul piscina era copiado por jovens de todo o mundo. A princípio, ela atribuiu a mudança no visual a o truque de desenhar com um lápis de boca o contorno dos lábios para fora. O lápis Whirl e o batom Faux, ambos da MAC, esgotaram no mundo inteiro após ela contar que estes eram seus favoritos. Anos depois, ela admitiu que fazia preenchimento nos lábios, que eram sua maior insegurança, mas a fama já estava criada. 

No final de 2015 ela investiu 250 mil dólares para fabricar 1500 kits de lápis e batom matte em três tons de nude diferentes, vendidos a 29 dólares. Nascia aí a Kylie Lip Kit, que teve os produtos esgotados em menos de um minuto. 

"Eu estava na festa de lançamento quando entrei no site e vi que estava tudo esgotado", conta em vídeo para a Vogue. "No mesmo dia eu mudei o nome da marca para Kylie Cosmetics, porque percebi que era algo que iria durar." 

Segundo estimativa da Forbes, desde então, marca vendeu 800 milhões de dólares em produtos - e Kylie é a única dona. 

Mas, como explicar o sucesso e lucro fora da média de Kylie? Afinal, ela já nasceu em uma família da alta-sociedade de Los Angeles e seu pai, Caitlyn Jenner, foi um atleta olímpico de sucesso. Sua irmã Kim também tem uma marca de maquiagem, que vende bem, mas não a tornou bilionária (segundo a Forbes, a fortuna da rainha das selfies está em torno de 350 milhões de dólares). 

A influência da Kylie na internet. É verdade que ela ganha dinheiro desde os 10 anos com o reality show, mas ela se tornou um fenômeno nas redes sociais. Além do Tumblr, que foi deixado de lado, ela alimenta diariamente o Twitter e o Instagram com conteúdos que vão de fotos produzidissimas ao lado de sua coleção de carros de luxo até selfies de cara limpa. Ela é referência para os jovens em termos de estilo, atitude e, claro, maquiagem. 

Em fevereiro deste ano, ela fez um tweet aparentemente inofensivo. “Sou só eu ou mais alguém não abre mais o Snapchat? Isso é tão triste…”. Onze minutos depois, disse que “Mesmo assim, ainda te amo, Snapchat... Meu primeiro amor”. Contudo, o estrago já estava feito. Por causa desse comentário, as ações da empresa Snap Inc., que detém a rede social, registraram uma desvalorização de 6% no mesmo dia, o que equivale a uma perda de aproximadamente 1,3 bilhões de dólares (algo em torno de R$ 4,2 bilhões). 

E como falar de Kylie sem citar o fenômeno de filha Stormi? Era setembro de 2017 quando começaram alguns rumores de que ela estaria grávida de seu namorado, o rapper Travis Scott. Aos poucos, ela foi sumindo das redes sociais, as usando apenas para promover sua marca de cosméticos - o que causou estranheza ao seus mais de 110 milhões de seguidores do Instagram. Na mesma época, sua irmã Khloé anunciou que estava esperando sua primeira filha, mas Kylie continuava desaparecida, inclusive do tradicional cartão de natal da família Kardashian e do reality show. "Desculpa manter vocês no escuro com um monte de teorias. Sei que vocês estão acostumados comigo os levando em todos os meu passos, mas minha gravidez não era algo que eu queria fazer em frente ao mundo todo", publicou ela no dia 4 de fevereiro, anunciando o nascimento de Stormi. A primeira foto que aparece a herdeira de Kylie é a mais curtida do Instagram com mais de 17,9 milhões de likes. O vídeo "To our daughter" (para a nossa filha, em português), um compilado de filmagens caseiras feitas durante a sua gravidez tem mais de 70 milhões de exibições no Youtube. 

E todo esse poder, vira dinheiro. Segundo um relatório do D’Marie Analytics, empresa especializada em mídias sociais, um anúncio no feed do Instagram de Kylie não sai por menos de 1 milhão de dólares - o mais caro da rede social, ultrapassando o valor cobrado por artistas como Beyoncé e Selena Gomez, que possuem mais seguidores do que ela. 

"Nenhum outro influencer conseguiu chegar no volume ou na fidelidade de clientes que Kylie mantém nos últimos dois anos e meio", conta Loren Padelford, que comanda a plataforma de vendas Shopify Plus, responsável pela Kylie Cosmetics e lojas de artistas como Drake e Justin Bieber. É o jeito millenial de fazer negócios.