Como adaptar-se às mudanças

Barton Goldsmith - O Estado de S.Paulo

Confira algumas dicas para ajudar na adaptação a situações novas, boas e más, e deixar a vida mais fácil

Como as mudanças são constantes, normalmente nem notamos as pequenas, ou as já esperadas

Como as mudanças são constantes, normalmente nem notamos as pequenas, ou as já esperadas Foto: Chadmagiera/ Creative Commons

As coisas mudam sem parar. Entes queridos morrem, perde-se o emprego, relacionamentos terminam. Gente é promovida, noivos casam-se, bebês nascem. Mas, vejam vocês: pode ser tão difícil adaptar-se a mudanças positivas quanto a negativas. Aí vão algumas dicas para ajudar na adaptação a situações novas, boas e más, e deixar a vida mais fácil.

- Quando uma boa mudança ocorrer, aceite com prazer. Você pode achar que não a merece, ou não estar pronto para ela, mas a única maneira de ir em frente e tirar o máximo proveito é abraçá-la, venha como vier. 

- Quando uma mudança ruim estiver se aproximando, comece a procurar alternativas antes que ela chegue. Por exemplo, se a empresa em que você trabalha atravessa dificuldades e você ouve coisas que o deixam inseguro, não espere até ser demitido: comece a procurar outro emprego. Mesmo que sua situação não mude, você terá ganho uma experiência valiosa e talvez uma perspectiva melhor. 

- Como as mudanças são constantes, normalmente nem notamos as pequenas, ou as já esperadas. É quando é pego desprevenido que você pode ficar desconcertado. O truque é lembrar que é só uma de milhões de mudanças que vão acontecer em sua vida e, boa ou nem tanto, faça o que for preciso e siga em frente.

- Pode ser mais difícil ajustar-se a mudanças emocionais. Quando alguém partir seu coração, por exemplo, aceitar nem sempre é uma opção fácil. Podem faltar forças ou entendimento para ser objetivo. Em casos assim, você precisa processar seus sentimentos, e isso pode levar algum tempo. Se quiser ir mais depressa, procure um terapeuta. 

- Quando você começa a desenvolver sentimentos por alguém, é como se tudo mudasse. Geralmente, as pessoas que se apaixonam veem tudo diferente, ficando facilmente presas aos sentimentos e ignorando tudo o mais. Tenha cuidado no dia a dia, e aproveite o namoro. 

- Você é responsável por como lidar com as mudanças. Um de meus mentores, dr. Albert Ellis, disse: "Os melhores anos de sua vida são aqueles em que você decide que seus problemas são seus. Não responsabilize sua mãe, a ecologia ou o presidente por eles. Entenda que você controla seu destino". 

- Se as mudanças em sua vida são demais para você, não precisa enfrentá-las sozinho. Existem amigos, família, grupos de apoio e conselheiros, mas você tem que chegar neles, o que pode ser difícil. Mas você não precisa sofrer. O amor dos que se preocupam com você pode fazer sua vida mais fácil. 

- Se você é dos que detestam mudanças, vai ter no mínimo de tolerá-las quando ocorrerem. Não há lei que o obrigue a gostar do que está rolando, mas você tem de encontrar meios de administrar a situação porque as coisas mudam, gostemos ou não. 

- Pode ser difícil navegar pela vida em nossa sociedade apressada. As coisas hoje estão mudando tão rapidamente que, quando você abre seu novo celular, ele provavelmente já está superado. Aprender a administrar, no ritmo de cada um, as mudanças que estão ocorrendo em volta é nossa grande ferramenta de sobrevivência. Costumamos dizer "siga a onda". Esse pode ser o meio mais confortável de lidar com o futuro. 

Barton Goldsmith é psicoterapeuta de Westlake Village, Califórnia, autor de "The Happy Couple: How to Make Happiness a Habit On Little Loving Thing at a Time"

Tradução de Roberto Muniz