Com alfaiataria tropical, marca carioca Handred estreia na SPFW

Natália Guadagnucci - Especial para O Estado de S. Paulo

Sob o comando de André Namitala, a grife faz roupas confortáveis, atemporais e unissex

Com uma moda democrática, a Handred quer simplificar a alfaiataria

Com uma moda democrática, a Handred quer simplificar a alfaiataria Foto: Divulgação/ Handred

Com apenas seis anos, a marca Handred, do estilista André Namitala, é uma das boas novidades da próxima edição da São Paulo Fashion Week, que acontece de 22 a 26 de abril no Pavilhão das Culturas Brasileiras, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo. O calor do Rio de Janeiro foi um dos propulsores da criação da grife, nascida da busca de André por roupas elegantes, com materiais de qualidade, mas que fizessem sentido no clima tropical.

Desde o começo, a marca segue uma identidade muito própria, que “evolui dentro de um mesmo universo”, como define Namitala. “Faço uma alfaiataria que respira, e que veste todo mundo”. Com formas amplas, tecidos frescos e modelagem democrática, a grife segue o conceito agênero, tão em voga nestes tempos, de uma forma muito natural. “Tive que adaptar a modelagem para atender um público maior, e hoje visto homens e mulheres dos 18 aos 90 anos”, diz André, que ganhou reconhecimento entre o público ligado à arte, ao design e à cena cultural. Entre os clientes, a Handred tem o cantor Caetano Veloso e seu filho Moreno, que já vestiram peças da etiqueta em alguns de seus shows. “Estou vendendo para quem eu queria vender”, garante o estilista, que não tem planos de tornar a marca muito maior do que já é.

O crescimento, contudo, já é uma realidade. No ano passado, a etiqueta inaugurou sua primeira loja própria no Rio de Janeiro, além de estrear nas passarelas do Veste Rio e da Casa de Criadores, eventos que incentivam novos nomes da moda. O próximo passo é abrir um endereço físico próprio em São Paulo ainda este ano. É da capital paulista que vem grande parte da clientela da marca - que, por enquanto, está à venda na cidade nas multimarcas Choix e Pair. Foi em busca de uma presença maior em São Paulo, aliás, que surgiu a ideia de desfilar na SPFW. “Conversei com Paulo Borges [idealizador e diretor criativo do evento], que ficou muito animado com as nossas criações e fez a proposta”, conta.

Na semana de moda, a marca vai apresentar sua coleção de verão 2018/19, inspirada em uma viagem feita por Namitala. “É uma coleção muito pessoal”, avisa o estilista, que ainda mantém segredo sobre o tema do desfile. O que se pode esperar é uma roupa confortável e com zero afetação, com a assinatura de quem sabe bem como fazer o atemporal parecer atual.

A alfaiataria leve faz parte do DNA da marca, criada em 2012

A alfaiataria leve faz parte do DNA da marca, criada em 2012 Foto: Divulgação/ Handred

Origem

Vindo de uma família libanesa tradicional, André Namitala cursou Direito durante um ano, até conhecer a fábrica da marca feminina carioca Rebecca Barreto, especializada em linho. Começou a trabalhar para a grife ainda aos 17 anos, época em que fez sua primeira viagem a trabalho pela moda, com destino a Nova York. Foi o impulso para largar de vez o Direito e cursar Moda.

O estilista carioca André Namitala é o nome por trás da Handred

O estilista carioca André Namitala é o nome por trás da Handred Foto: Divulgação/ Pedro Loreto

Já familiarizado com o linho, André decidiu criar sua primeira coleção de camisas feitas com o tecido, em paralelo a seu trabalho na marca feminina. “Não conhecia ninguém na moda, até encontrar o stylist José Camarano, que estava abrindo uma loja pop-up, a Bombinha. Foi o timing perfeito para colocar as minhas camisas à venda, já com o nome Handred [um apelido de infância]”, conta.

Na mesma época, em 2012, ele assumiu a direção do estilo masculino da marca carioca Ausländer, de onde saiu dois anos depois para se dedicar integralmente à Handred. Seu gosto pelo linho permaneceu, tanto que o material se tornou carro-chefe de sua marca, que trabalha apenas com tecidos naturais. “Os tecidos usados no Brasil eram muito quentes, nada caía bem”, justifica o estilista, que atualmente trabalha com cambraia de linho [tipo de tecido que tem a trama mais aberta] importado da Rússia, além de seda brasileira e italiana. 

Modelagens amplas e tecidos frescos são carro-chefe da marca

Modelagens amplas e tecidos frescos são carro-chefe da marca Foto: Divulgação/ Handred