Chanel se inspira em Le Corbusier para reinventar sua alta-costura em Paris

Mercedes Álvarez - O Estado de S.Paulo

Karl Lagerfeld assinou uma coleção outono-inverno para a Chanel que exalou a modernidade do século XVIII

Grand Palais, onde a casa geralmente desfila, recriou o antigo apartamento de cobertura nos Champs-Élysées do aristocrata colecionador de arte francês Charles de Beistegui projetado por Corbusier em 1930

Grand Palais, onde a casa geralmente desfila, recriou o antigo apartamento de cobertura nos Champs-Élysées do aristocrata colecionador de arte francês Charles de Beistegui projetado por Corbusier em 1930 Foto: Divulgação

O estilista alemão Karl Lagerfeld assinou uma coleção outono-inverno para a Chanel que exalou a modernidade do século XVIII nesta terça-feira na Semana de Modade Paris com cenário inspirado em Le Corbusier.

O Grand Palais, onde a casa geralmente desfila, recriou o antigo apartamento de cobertura nos Champs-Élysées do aristocrata colecionador de arte francês, Charles de Beistegui, projetado por Corbusier em 1930.

Com vista panorâmica para a capital francesa, o apartamento, que já não existe mais, foi um sopro de inovação em meio à refinada Paris, contraste que Lagerfeld quis expressar em seus croquis, vistos da primeira fila pelos atores americanos Kristen Stewart, que surpreendeu de cabelo curto e multicolorido, e Jared Leto.

As sandálias baixas de dedo - sim, em uma coleção de inverno - as bolsas a tiracolo e os penteados bagunçados em estilo punk foram os toques contemporâneos em composições que resgataram as ceroulas antigas e o volume do vestido à francesa.

As ceroulas, que eram usadas como roupa de baixo no século XVIII, vieram como bermudas sob as saias da passarela da Chanel.Os delicados arabescos e brocados, assim como os trabalhados bordados de flores em relevo e as pedrarias em formatos geométricos foram a melhor homenagem a uma técnica tradicional que a casa francesa guarda em suas oficinas.

A coleção valorizou o preto e branco, com toques de ouro e de prata, e poucas cores, como o vermelho, o lilás e o azul, chegaram a essa reduzida paleta cromática. As linhas retas dos sutiãs e das ombreiras conviveram com as formas curvas, como as dos semicírculos que Lagerfeld salpicou nas bordas de algumas peças.

Os casacos, justos no bojo e na cintura, foram ficando mais amplos em uma sobreposição com efeito 3D com vestidos e calças curtas. As golas subiram retas e com uma circunferência aberta na frente, enquanto os trajes de noite optaram por amplas golas canoa e pelo tomara-que-caia, às vezes coroados por plumas.

O branco do cenário do desfile cedeu lugar aos cortes e aos bordados trabalhados, enquanto o "tweed" ganhou mais uma vez um espetáculo no qual se mostrou pontilhado, em rede ou desfiado. A namorada de Chanel rememorou o passado com um vestido de volume moderado, decorado com uma fileira de botões dourados e coberto com uma longa camada de brocados.