Casais recorrem à criatividade na hora de presentear parceiros durante a crise

Lucca Rebelato - O Estado de S.Paulo

Capacidade de entender os gostos do companheiro ganha mais importância que valor financeiro

Gabriel e Mariana utilizarão a criatividade para presentear neste Dia dos Namorados

Gabriel e Mariana utilizarão a criatividade para presentear neste Dia dos Namorados Foto: Arquivo Pessoal

Com a crise financeira instalada no País, a aproximação de datas comemorativas como o Natal e o Dia das Crianças agitam os brasileiros, principalmente na hora de comprar os presentes. Se o dinheiro está curto no bolso da maioria, é a hora perfeita para utilizar a criatividade e presentear amigos e familiares sem gastar muito.

Para o Dia dos Namorados deste ano, comemorado na sexta-feira (12), o panorama não é diferente. Diversos casais aproveitam a impossibilidade de desembolsar altos valores para dar aos companheiros presentes simples, mas que representem a conexão entre os parceiros.

O editor de vídeo Gabriel Fidalgo diz que ainda não definiu o que comprar para a namorada, mas não pretende investir uma grande quantia. “Penso em dar um vestido, mas algo escolhido com carinho, que tenha a ‘cara’ dela. Não preciso gastar uma fortuna com um presente apenas pelo valor financeiro, pois acho que ele perde o valor sentimental. Quero uma lembrança que simbolize a nossa relação, que tenha intimidade”, explica.

A namorada de Gabriel, Mariana Lemoine, conta que presenteará o companheiro com diversas pequenas lembranças. “Darei uma blusa de crochê, algumas fotos impressas de nós dois e um gibi do ‘Batman’. Acho que são presentes que ninguém mais pensaria”, observa.

Mariana, gerenciadora de websites, afirma que a ideia surgiu há poucas semanas. “Quando comecei a pensar na data, queria dar algo personalizado, para ser uma lembrança única. Acredito que a comemoração do Dia dos Namorados só é válida quando envolve sentimento, não apenas uma obrigação, e isso se aplica à escolha do presente”, argumenta.

Já Lucas de Almeida, turismólogo, apostou no gosto musical em comum com a namorada para escolher o presente. “Comprei um CD de rock nacional de uma banda que ela gosta muito. Nesse caso, acho que nós dois iremos aproveitar juntos, pois eu também quero ouvir”, confessa.

Lucas também defende que o presente de Dia dos Namorados não deve ser baseado no valor financeiro. “Às vezes, uma lembrança mais em conta tem muito mais significado para a pessoa que você ama do que um presente caro, refinado. É exatamente essa capacidade de compreender os gostos dela que demonstram a nossa intimidade”, reflete.

No caso de Mariangela Fernandes, funcionária em uma agência dos Correios, a data coincide com o aniversário do marido. “Neste ano, não comprei nada para ele. Normalmente, jantamos em algum lugar especial para celebrar, então provavelmente será esse o programa. O meu marido faz aniversário em uma data bem próxima ao Dia dos Namorados, então prefiro gastar com presente no dia dele”, afirma.

Para a estudante de jornalismo Louise Morona, a data não possui uma grande representatividade. “Eu nem gosto tanto do Dia dos Namorados. Por isso, eu e meu namorado vamos comemorar com uma sessão de cinema, aproveitando a estreia do ‘Jurassic Park’. Creio que não somos um exemplo de casal típico”, brinca.

Comércio afetado pelas consequências

A opção por presentes mais simples reflete nas previsões econômicas para a data. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), o Dia dos Namorados de 2015 apresentará queda de 0,1% nas vendas em comparação com o último ano, se considerada a inflação do período, movimentando R$ 2,4 milhões. Se as expectativas se confirmarem, será a primeira queda nas vendas para a data em 11 anos.

A tendência por lembranças de menor valor financeiro se confirma na pesquisa. A aquisição de móveis e eletrodomésticos apresentará queda de 7,3%, enquanto a de vestuário e acessórios diminuirá 0,8%. Já a venda de produtos cosméticos e de perfumaria deverá subir em 7,1%, ao mesmo passo que os artigos de uso pessoal apresentarão alta de 7,4%.