Balmain apoia protesto por inclusão racial em Cannes

Redação - O Estado de S.Paulo

Atrizes negras se reuniram no tapete vermelho para denunciar a falta de diversidade no no cinema francês

As atrizes francesas Nadege Beausson-Diagne, Mata Gabin, Maimouna Gueye, Eye Haidara, Rachel Khan, Aissa Maiga, Sara Martins, Marie-Philomene Nga, Sabine Pakora, Firmine Richard, Sonia Rolland, Magaajyia Silberfeld, Shirley Souagnon, Assa Sylla, Karidja Toure e Khadja Nin protestam no tapete vermelho de Cannes

As atrizes francesas Nadege Beausson-Diagne, Mata Gabin, Maimouna Gueye, Eye Haidara, Rachel Khan, Aissa Maiga, Sara Martins, Marie-Philomene Nga, Sabine Pakora, Firmine Richard, Sonia Rolland, Magaajyia Silberfeld, Shirley Souagnon, Assa Sylla, Karidja Toure e Khadja Nin protestam no tapete vermelho de Cannes Foto: Jean-Paul Pelissier/REUTERS

Em uma manifestação contra o racismo e a falta de diversidade na indústria cinematográfica, 16 atrizes francesas negras se reuniram na última quarta-feira, 16, no tapete vermelho do Festival de Cannes. Na ocasião, todo o grupo vestiu looks da grife francesa Balmain, cujo diretor criativo, Olivier Rousteing, deu total apoio ao protesto. 

O ato coincidiu com o lançamento do projeto Noire N’est Pas Mon Metier (Negro não é o meu trabalho), que engloba um livro, um documentário e uma exposição de fotografia dirigidos por Aïssa Maïga. Ao lado da atriz e diretora francesa, nomes como Eye Haidara, Sonia Rolland e Firmine Richard cruzaram o red carpet com os punhos cerrados erguidos no ar. 

Rousteing, primeiro negro a assumir a direção da Balmain, disse ter se identificado com muitas passagens do livro. “Na hora em que fui chamado para participar, sabia que me juntar a esse movimento era certo para mim e para essa marca”, disse em entrevista ao WWD. “A simples mensagem da importância da inclusão que essas atrizes estão trazendo é uma que eu tenho repetido ao longo dos anos, e tenho a sorte de trabalhar em um lugar que acredita nisso tanto quanto eu”. Para o estilista, a expectativa é de que o projeto inspire outros nomes do mercado de moda a se posicionar. 

O protesto pedia por igualdade e inclusão de mais mulheres negras no cinema francês

O protesto pedia por igualdade e inclusão de mais mulheres negras no cinema francês Foto: Loic Venance/AFP PHOTO