Alexandre Herchcovitch deixa direção criativa de marca que leva seu nome

Maria Rita Alonso - O Estado de S.Paulo

Após 23 anos à frente da Herchcovitch; Alexandre, estilista anunciou em um comunicado divulgado na manhã de terça-feira, 23, a saída da grife que pertence ao grupo InBrands

Alexandre Herchcovitch acompanha modelos durante o desfile de sua última coleção para a marca Herchcovitch; Alexandre

Alexandre Herchcovitch acompanha modelos durante o desfile de sua última coleção para a marca Herchcovitch; Alexandre Foto: Denise Andrade

O estilista Alexandre Herchcovitch anunciou na manhã desta terça, 23, sua saída da direção criativa da marca Herchcovitch; Alexandre, que criou há 23 anos. Seu desfile na última São Paulo Fashion Week, em outubro do ano passado, teve tom de despedida e, entre os fashionistas, a despedida dele da grife era dada como certa. Isso porque o contrato de Herchcovitch com o grupo InBrands, ao qual pertence a marca, estava prestes a acabar e sua permanência ainda não havia sido acertada. Um dos maiores conglomerados de moda do País, a InBrands é dona ainda das marcas Ellus, Richards, Salinas e Bobstore, e comprou a Herchcovitch; Alexandre em 2008. Os problemas com a renovação do contrato de Herchcovitch se deram devido a uma negociação de valores. Cogitou-se ainda a participação de Herchcovitch em projetos de outras marcas masculinas do grupo, o que, pelo visto, não se concretizou. 

GABRIELA BILO/ESTADÃO
Ver Galeria 13

13 imagens

As principais dúvidas relacionadas à marca agora são duas. A primeira é quem assumirá o lugar dele. Um possível nome é o de Rodolfo Souza, atual estilista da Ellus, que já foi assistente de Herchcovitch. O Estado apurou que a marca vai desfilar na próxima edição da São Paulo Fashion Week, que ocorre entre 25 e 29 de abril - a coleção já está em desenvolvimento, sem a assinatura do estilista. 

Não por acaso, em sua última coleção para a grife, que chega às lojas em março, Herchcovitch fez uma releitura da própria obra. As camisolas de tricoline de cashmere com seda e fitas de gorgurão, por exemplo, remetem às que ele apresentou em seu desfile de formatura. A estética dark, meio underground, o fetichismo e uma série de provocações, como uma modelo com parte do rosto coberto por uma balaclava, também fizeram parte do show na SPFW. Segundo o estilista, o desfile contou “uma história de boudoir sobre amor e perda, perversão, sexo e poder”. Na ocasião, deu ainda uma ideia do que estaria por vir: “Se esse for o meu último, será um lindo desfile!”, disse ao FFW, site da SPFW.