Marca mineira vende mais na Europa do que no Brasil e quer conquistar a América Latina

Gabriela Marçal - O Estado de S. Paulo

Com exportação para França, Itália, Estados Unidos, Alemanha e Japão, grife de bijuterias e bolsas Aramez é destaque na feira de negócios Colombiamoda, que reuniu diversas empresas brasileiras em Medellín

A marca mineira Aramez faz mais sucesso na Europa do que no Brasil

A marca mineira Aramez faz mais sucesso na Europa do que no Brasil Foto: Divulgação

Criada em Belo Horizonte, a grife mineira de bolsas e bijuterias Aramez tem a maior parte de seus negócios dedicados à exportação para países como França, Itália, EUA, Bélgica, Alemanha e Japão. O mercado internacional representa 70% do faturamento da marca fundada por Gissa Bicalho vinte anos atrás. Com o objetivo de fortalecer a empresa também na América Latina, a designer participou esta semana da feira de negócios Colombiamoda, realizada em Medellín, na Colômbia, entre os dias 26 e 28.

No período, foram fechados contratos com a Venezuela, Panamá, República Dominicana e chegou a uma nova região nos EUA: Miami (as bijuterias e bolsas mineiras já são vendidas na Califórnia). “Estou muito focada no mercado externo. Não faço bolsas de couro porque sei que lá fora a preocupação com a sustentabilidade é muito forte”, diz Gissa, que foca no uso de materiais como acrílico, metal e madeira.

O item mais barato da coleção, um brinco, custa cerca de R$ 250 para o consumidor final, e o mais caro, uma clutch, sai por R$ 1.200. No Brasil, as peças da Aramez podem ser encontradas no próprio site da marca, em e-commerces de luxo como Gallerist e Shop2gether e em multimarcas físicas.

As bijuterias e bolsas da marca são feitas artesanalmente e já foram usadas pela apresentadora Sabrina Sato e pela blogueira de moda Tássia Naves. Gissa desenhou os acessórios do desfile do conterrâneo Ronaldo Fraga na edição mais recente da São Paulo Fashion Week e criará peças exclusivas para a marca na próxima temporada. A também mineira GIG Couture levou as criações de Gisa Carvalho para a passarela no inverno de 2015 e verão de 2016.

Colombiamoda. A Aramez é uma das empresas brasileiras que estiveram na Colombiamoda - no total, foram mais de 60 empresas de onze estados brasileiros. A Agência Brasileira de Promoção Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados), a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) e a Federação das Indústrias de Goiás (FIEGO) participaram da organização dessa missão para ampliar as vendas do Brasil para a Colômbia, que é o sexto destino de exportações do Brasil.

Durante esta edição da Colombiamoda as marcas Amazonas, Anzetutto, Beira Rio Conforto, Luz da Lua, Modare Ultraconforto, Moleca, Molekinha, Pampili e Vizzano, que foram apoiadas pela Abicalçados, já fecharam negócios que somam US$ 545 mil e têm a expectativa de exportar mais US$ 1 milhão nos próximos seis meses a partir dos contatos feitos na feira. No ano passado, as negociações brasileiras nesse setor foram de US$ 410 mil.

A feira de negócios da Colombiamoda 2016 movimentou US$ 399 milhões, 17% mais do que a edição passada; reuniu 650 marcas  e 12.300 compradores, sendo 87% colombianos e 13% internacionais, vindos de 55 países.