Estilo 'coxinha' de Doria cai nas graças do eleitor

- O Estado de S.Paulo

Aconselhado por marqueteiros, o prefeito eleito deixou terno e malhas no ombro de lado e passou a se vestir de maneira mais casual

João Doria Jr., prefeito eleito no dia 2 de outubro. 

João Doria Jr., prefeito eleito no dia 2 de outubro.  Foto: Rafael Arbex / Estadão

Nada de terno e gravata. Conhecido pelo visual “coxinha” e pelas produções arrematadas com malhas de cashmere colocadas nos ombros, o prefeito eleito João Doria apareceu de calça preta, camisa branca e suéter básico preto na comemoração de sua vitória nas eleições no diretório do PSDB, em São Paulo, na noite de domingo, 2. Durante toda a campanha, o tucano adotou um estilo "arrumadinho-despojado", seguindo uma orientação dos marqueteiros do partido, que o aconselharam a vestir roupas menos formais.

Esse estilo marcou o visual de Doria durante toda a campanha, que tinha como mote o bordão "João trabalhador". Sempre de jeans, camisas mais depojadas e sapatênis, o tucano circulou pela cidade por 45 dias em busca de popularidade e de votos - Dória foi eleito no primeiro turno de maneira inédita, com mais de 3 milhões de votos. 

 

JF DIORIO /ESTADÃO
Ver Galeria 6

6 imagens

“Na verdade, o estilo é o mesmo de sempre, mas adaptado com peças mais informais”, afirma Mário Mendes, jornalista especializado em moda. "Ele apostou em itens mais despojados e isso dialoga com a classe jovem hoje. As pessoas às vezes não acreditam, mas a roupa transmite, sim, uma mensagem". 

No caso de Doria, a mensagem que ele passou pelas roupas que vestia era de que se tratava de um homem acessível. Não que as roupas fossem.  O casaco de náilon que o prefeito eleito vestiu com frequência na campanha, por exemplo, é da grife Ralph Lauren e não sai por menos de R$ 7.500. “O guarda-roupa de Doria é repleto de peças de marca. Isso faz parte da vida dele, algo normal para alguém com a sua condição financeira”, diz Mendes. 

“As pessoas gostam de ver as outras bem arrumadas, principalmente na vida política. Fernando Collor foi um dos primeiros a mostrar que a imagem tem mesmo uma grande representatividade no meio.”