Cresce influência do esporte no setor de beleza. Veja exemplos

Cris Dios* - Especial para O Estado de S. Paulo

Empresas deixaram de desenvolver produtos apenas funcionais e começaram a investir no segmento de beleza para atletas

Para competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a ginasta americana Simone Biles apostou em delineador de glitter

Para competir nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, a ginasta americana Simone Biles apostou em delineador de glitter Foto: AFP

Ano de Olimpíada e o setor da beleza, assim como o da moda, tem inspiração nos esportes. Não é de hoje que percebemos uma preocupação com o universo fitness e assuntos relacionados à saúde, que vai desde um olhar mais apurado e exigente para a alimentação até a escolha de quais exercícios físicos praticar. E há produtos de beleza que ajudam a melhorar os resultados neste segmento.

Tais opções vão além dos cuidados com a pele. O mercado já tem se atentado a uma nova realidade: produtos que podem e devem ser usados antes, durante e após os treinos, que ajudam a conquistar os resultados desejados. O leque de opções é amplo: tem maquiagens próprias e específicas para treinos, que não escorrem com o suor; cremes que tratam os cabelos e a pele durante a prática esportiva; e ainda produtos mais funcionais que aceleram o efeito dos exercícios nos músculos, e até prolongam o efeito de relaxamento. As possibilidades são múltiplas. 

Se um dos principais efeitos do exercício é a liberação de endorfina no corpo, por exemplo, já há produtos que prolongam essa sensação e ajudam na recuperação dos músculos. Isso do ponto de vista funcional dos esportes. 

No aspecto da vaidade, as  marcas desenvolveram produtos que minimizam efeito de poros abertos, além de promover benefícios antioxidantes. Não precisamos ir muito longe.  Há alguns anos, mulheres tinham vergonha de se arrumar para praticar exercício físico, mas hoje em dia ninguém mais pensa duas vezes antes de passar maquiagem ou arrumar o cabelo antes do treino. 

A tecnologia está ao lado dos esportistas: garrafas de águas conectadas a smartphones relembram o momento de beber água novamente e há suplementos pré-treinos anti-oxidantes que ajudam a queimar a gordura, convertê-la em energia e combater os radicais livres. São apenas alguns exemplos de fortes aliados neste setor, tanto para ajudá-lo a repor as energias, quanto na composição de produtos. 

Indo na contra-mão da tecnologia, alguns lugares e marcas reforçam o DNA da natureza na constante busca por matérias-primas naturais que, além do aroma, auxiliam a compor produtos que combatem alguns prejuízos durante a prática esportiva como, por exemplo, minimizar o impacto do suor nos cabelos durante os treinos. Independentemente do objetivo final do produto, conveniência e praticidade são palavras de ordem e itens de exigência para entrar na rotina e bolsas das pessoas fitness. 

Inspiração.

Desfiles recentes apresentaram nas passarelas modelos com o cabelo surf girl, de aparência molhada como se tivesse acabado de sair do mar, sexy como num filme do 007, com as famosas Bond Girls.

Uma outra versão inspirada nos esportes foi apresentado em desfiles como Prada, Dsquared em Milão, em um look que representa atitude. O cabelo aparece dividido no meio, com gel, amassado em ondas com o balanço dos próprios dedos, ou então ligeiramente úmido, puxado pra trás, com franja na lateral enquadrando o rosto.

Ainda seguindo esta tendência de look praia, o cabelo vem como se tivesse molhado por spray de água e sal, com os fios um pouco arrepiados e com os cabelos atrás das orelhas. De penteados, muita trança despojada e mais soltinha, com uns fios aparentemente soltos, e coques. Que os esportes chegaram para ficar, isso não há dúvidas. A novidade fica por conta do impacto deles na vida de cada um. 

*Cris Dios é especialista em cosmetologia e viaja o mundo pesquisando consumo consciente para o mercado da beleza. Fundadora do hair spa Laces, desenvolveu uma linha de produtos para cabelos com ingredientes orgânicos para uso profissional.