Além de cidade modelo, Curitiba quer ser referência em moda

Gabriela Marçal - O Estado de S. Paulo

Capital paranaense sedia evento com desfiles de grifes de luxo e estilistas locais na tentativa de fazer parte do calendário nacional

A modelo internacional Daiane Conterato abriu os desfiles da primeira edição do evento

A modelo internacional Daiane Conterato abriu os desfiles da primeira edição do evento Foto: Mana Gollo/Divulgação

Em dois dias, quatro desfiles com 200 looks reunindo cerca de 700 peças de mais de cem marcas diferentes. Esses são os principais números Pátio Batel Fashion Walk (PBFW), evento que deseja colocar Curitiba no calendário fashion nacional. Entre terça, 23, e quarta-feira, 24, os corredores do Shopping Pátio Batel, na capital do Paraná, serão transformados em passarela e receberão 62 modelos - além, claro, dos consumidores e do público interessado em ver de perto as coleções de primavera-verão. A curodoria dos desfiles é assinada pelo editor de moda da revista Harpers Bazaar, Lucas Boccalão.

O PBFW seguirá uma estratégia de mercado que vêm mudando a indústria da moda: o 'see now, buy now' (veja agora, compre agora). Será possível adquirir os produtos apresentados nas lojas logo após os desfiles. Na primeira edição do evento, realizada em 2015, participaram marcas nacionais e internacionais como Tiffany, Calvin Klein, Empório Armani, Max Mara, Animale e Adidas. "Para a gente não existe outro caminho se não o modelo 'see now, buy now'", diz a gerente de Marketing e Relacionamento do Shopping Pátio Batel, Mariane Caponi. "Na primeira edição, muitas peças desfiladas se esgotaram rapidamente."

A modelo Daiane Conterato apresentou um dos looks da primeira edição do Pátio Batel Fashion Week

A modelo Daiane Conterato apresentou um dos looks da primeira edição do Pátio Batel Fashion Week Foto: Débora Spanhol/Divulgação

Além de suprir a falta de um evento de moda na região sul do Brasil, a organização do PBFW pretende promover o trabalho de estilistas locais. "Queremos fomentar a área da moda em Curitiba para que esse mercado volte a crescer. Percebemos que esse evento, realmente, vem mudando o segmento", diz Mariane. "Investimos em novos designers que, em um ano, conseguiram se consolidar e abrir lojas próprias."

Ela se refere ao projeto Labmoda, em que marcas autorais de designers paranaenses têm um desfile específico e podem vender suas peças em uma loja temporária no Shopping Pátio Batel. A fundadora da grife Novo Louvre, Mariah Salomão, participou da PBFW em 2015 no espaço destinado aos novos estilistas e nesta edição estará na passarela principal. "Foi um teste importante para a marca, porque Curitiba é um mercado muito crítico", conta Mariah Salomão. As estampas com temas da vida curitibana são o forte da Novo Louvre, que também é vendida no Rio de Janeiro e em São Paulo.