Zona leste, os extremos da educação em SP

Maria Rehder, JORNAL DA TARDE - O Estado de S.Paulo

Região abriga tanto as melhores como as piores escolas municipais

O desempenho em leitura e matemática dos alunos das escolas municipais de ensino fundamental (Emefs) em São Paulo varia de acordo com o bairro. Na Zona Leste encontram-se os extremos. Os colégios da Penha e de Itaquera estão entre as cinco regiões com as maiores médias na Prova São Paulo (exame aplicado pela primeira vez em novembro para alunos de 2ª, 4ª, 6ª e 8ª séries). Já em Guaianases, na mesma região, se encontram as escolas com os piores desempenhos. Os dados fazem parte do ranking, obtido pela reportagem, que traz as médias das escolas das 13 regiões da capital paulista.As escalas da prova variam de acordo com a série. A média das unidades da Penha em matemática na 8ª série, por exemplo, foi a mais alta da cidade: 258,3 (numa escala de 0 a 375). Guaianases foi a região que registrou a média mais baixa: 241,3. Além da Penha, os alunos das Emefs de Itaquera (zona leste), Ipiranga (zona sul) e Jaçanã-Tremembé (zona norte) lideraram a lista com os melhores desempenho. A especialista em políticas públicas da Educação da PUC-SP, Maria Angela Barbato Carneiro explica alguns motivos que proporcionam as diferenças entre as regiões. "Em geral, quanto mais se aproximam do centro, melhores são as escolas porque fatores como falta de segurança e de infra-estrutura geram maior rotatividade de professor", diz. Para ela, os professores não podem ser responsabilizados. "A culpa não é do professor. Ele precisa ter incentivos para se fixar nessas escolas nas regiões mais distantes, ter melhor salário e salas de aula com boa infra-estrutura." A especialista em alfabetização da USP, Silvia Colello, também ressalta que o nível cultural dos pais têm impacto direto na aprendizagem das crianças. "A educação vai além da escola. É preciso analisar o antes, durante e depois das aulas", afirma. DESAFIOS NA PERIFERIA Segundo Romildo Rodrigues, conselheiro do Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), que dá aula em Guaianases, há dois motivos que levaram os colégios da região a terem os piores desempenhos na Prova São Paulo: a questão socioeconômica e a reorganização realizada recentemente nas escolas para atender a demanda. "Itaquera e Penha ficam na zona leste , mas têm condição socioeconômica mais elevada. Não é dizer que alunos de regiões mais pobres não aprendem, mas o acesso a oportunidades como livros e viagens dá mais repertório para a criança", afirma. Ele cita que as escolas da região tiveram de improvisar espaços para atender a alta demanda. "Tem escola que teve de fazer quatro intervalos porque todos os alunos não cabem no pátio de uma só vez". A Diretoria Regional de Guaianases, órgão ligado a Prefeitura, não quis se manifestar. Já a representante da Diretoria Regional de Ensino Campo Limpo, zona sul, que também ficou entre as regiões com pior desempenho, concedeu entrevista . "Mesmo não estando entre os melhores, nossos colégios estão no caminho certo, o trabalho é reconhecido pela comunidade e damos ênfase à formação de professores", disse Sandra Lacerda, diretora da divisão técnico-pedagógica da região. DESEMPENHO A Secretaria Municipal de Educação informou ser contra a política de classificação de desempenho na Prova São Paulo e por isso não divulga a lista com as notas da rede por escolas ou por região. A reportagem solicitou entrevista com o secretário Alexandre Schneider, mas não obteve retorno