Vunesp diz que vazamento de prova é ''''gravíssimo''''

- O Estado de S.Paulo

A Fundação Vunesp divulgou nota ontem sobre a fraude no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, seção São Paulo (OAB-SP). O texto informa que a diretoria da entidade participou de uma audiência na sede da Polícia Federal em São Paulo e que se colocou "integralmente à disposição a fim de facilitar todas as providências que forem necessárias para a investigação e o completo esclarecimento da autoria da quebra de sigilo da prova". Foi o primeiro pronunciamento da Vunesp desde o cancelamento do exame por causa do vazamento das questões, no sábado.Anteontem, o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D?Urso, havia declarado que a prova foi divulgada já impressa. Dessa maneira, a fraude deveria ter ocorrido por meio da Vunesp, já que a OAB-SP não tem acesso à cópia do exame diagramado. D?Urso chegou a afirmar que, caso ficasse comprovado que a fraude ocorrera dentro da fundação, não mais contrataria a Vunesp para a impressão, distribuição e aplicação da prova. A nota da Vunesp foi assinada pelo diretor-presidente da entidade, Benedito Antunes, e diz ainda que o fato ocorrido é "gravíssimo" e não pode ficar impune. Além de diversos concursos, a Vunesp realiza vestibular de quase todas as universidades públicas de São Paulo. Entre elas, Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).A Unifesp teve ontem seu primeiro dia de provas, com as questões de conhecimentos gerais. O índice de abstenção foi de 8,6%; participaram do exame 18.408 candidatos. O vestibular continua hoje com a prova de língua portuguesa, língua estrangeira e redação. A parte de conhecimentos específicos encerra o vestibular, na sexta-feira.