Vírus teria vindo da Ásia para América

THE NEW YORK TIMES - O Estado de S.Paulo

Amostra de porco de Hong Kong em 2004 tinha um ''vírus irmão''

Contrariando a ideia de que a gripe suína surgiu nas instalações de criação industrial de porcos no México, funcionários do ministério da agricultura dos EUA creem agora que a pandemia tenha começado nos porcos da Ásia e viajado para a América do Norte em um humano. Eles ressaltaram que é impossível comprovar a teoria, por falta de dados completos. Ainda assim, enquanto nada prova que o H1N1, uma combinação de genes norte-americanos e euro-asiáticos, tenha circulado na América do Norte, há provas sugestivas da circulação de um "vírus irmão" na Ásia. "No cenário mais provável, o vírus chegou a bordo da espécie de mamífero que circula pelo mundo com maior liberdade", diz Amy Vincent, especialista em gripe suína.O vírus, extremamente incomum, com porções genéticas das gripes humana, aviária e suína norte-americanas e da gripe suína euro-asiática, não foi detectado em nenhum porco, com exceção de um rebanho no Canadá cuja infecção foi descoberta no final de abril. Pensou-se que o rebanho fora infectado por um carpinteiro que trabalhou na fazenda após ter viajado ao México. Mas, em meados deste mês, as agências canadenses de saúde disseram que ele não era o responsável. O rebanho foi abatido e o vírus não foi mais encontrado em porcos no Canadá, comprovando não ser endêmico, pois laboratórios americanos e canadenses testam milhares de amostras suínas.Mas descobriu-se que uma amostra colhida em 2004 de um porco em Hong Kong apresentava vírus quase idêntico ao da nova gripe. Aquela gripe continha sete das oito sequências de genomas da nova gripe e foi citada recentemente pela revista Nature, que a chamou de "vírus irmão".Os cientistas encarregados de rastrear as origens do vírus se queixaram da falta de vigilância mundial contra a gripe nos porcos. Os bancos de dados públicos abrigam dez vezes mais sequências genéticas de gripes humanas e aviárias do que de suínas, diz Michael Shaw, da divisão de combate à gripe do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.