Virose desconhecida contamina 350 no litoral

Rejane Lima, SANTOS - O Estado de S.Paulo

Centenas de pessoas contraíram uma virose ainda desconhecida durante a temporada de fim de ano em Mongaguá, na Baixada Santista. Pelo menos 350 pacientes com mal-estar, vômitos e diarreias permaneceram em tratamento no pronto-socorro do município por algumas horas. Desde o dia 26 de dezembro, a rede de saúde já registrou mais de mil atendimentos de casos com sintomas semelhantes, porém menos graves. Mongaguá tem cerca de 40 mil habitantes, chegando a abrigar em torno de 300 mil pessoas durante a alta temporada de fim de ano. Por isso, o número de casos atendidos chamou a atenção da Diretoria da Saúde de Mongaguá, que agora aguarda os resultados dos laudos que vão identificar o vírus causador da doença. "Já sabemos que é viral porque os hemogramas (exames de sangue) dos pacientes mostram que há aumento de linfócitos. E, como no caso em questão, os leucócitos estão normais, não deve ser bacteriano", explicou o diretor municipal da Saúde, Juan Albornoz, acreditando que o causador da moléstia se trata de um rotavírus. "São os mais comuns no verão", completa. Segundo o médico, os sintomas começam com uma leve cólica, que aumenta progressivamente. Depois vêm náuseas e vômitos e, em seguida, a diarreia. A dica de Albornoz é para moradores e turistas se hidratarem bastante, com água e suco de frutas. "As pessoas também devem evitar alimentos gordurosos e ficar se expondo muito tempo ao sol para não entrar em processo de desidratação. Devem procurar o pronto-socorro assim que começarem a sentir algum desconforto abdominal." Segundo ele, se medicados logo, os pacientes permanecem menos tempo internados e evitam que a doença evolua.