Unesp abrirá unidade na zona leste

Renata Cafardo - O Estado de S.Paulo

Instituição vai oferecer 5 mil vagas em cursos técnicos e superiores tecnológicos; alunos da região são prioridade

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) já tem pronto e aprovado pelo seu conselho um projeto para criação de um novo centro de cursos de nível médio técnico e superior tecnológico. A previsão é de que a unidade tenha 5 mil vagas por ano e seja na zona leste da cidade, em um terreno da Prefeitura. O reitor da Unesp, Marcos Macari, quer que somente jovens moradores da região possam estudar nos novos cursos. "A intenção é fazer inclusão. Não faremos isso se abrirmos para pessoas de alto poder aquisitivo", diz.Além disso, alunos do ensino médio do novo centro poderiam ingressar para o nível superior - tecnológico ou acadêmico - da Unesp sem passar pelo vestibular convencional. O exame da instituição é um dos mais concorridos do País, com até 100 candidatos por vaga. A unidade na zona leste deverá ser uma parceria entre a universidade, o governo estadual - que financiaria o desenvolvimento e a manutenção da unidade - e municipal - que daria o local e a infra-estrutura. Macari prevê o início do funcionamento para 2010, caso Estado e Prefeitura aprovem o documento até o segundo semestre de 2008. O projeto do Centro de Convenções e Educação Profissional da Unesp, de 125 páginas, foi entregue neste mês ao governador José Serra e aos secretários do Ensino Superior e do Planejamento. O valor da construção é de R$ 230 milhões, incluindo prédio, mobiliário e laboratórios. Outros R$ 60 milhões por ano seriam necessários para manter a unidade. Segundo a assessoria do governador Serra, o projeto será analisado em janeiro, depois de conversas com a Prefeitura. O prefeito Gilberto Kassab ainda não recebeu o documento final , apesar de ter sido informado ao longo do processo.Macari conta que a idéia surgiu em uma conversa em 2006, quando Serra era ainda prefeito e Kassab, vice. "Fui chamado para uma conversa, o então prefeito queria que a Unesp tivesse uma atuação na zona leste", diz. Na ocasião, já foi indicado um terreno em Itaquera para a provável construção. O local tem 24 mil metros quadrados e fica perto da estação Corinthians/Itaquera do Metrô (ver quadro). CURSOSA proposta da Unesp é ter 15 cursos técnicos, entre eles Circuitos Digitais, Agente de Turismo, Logística, Recursos Humanos e Tecnologia da Informação. Para ingressar nos cursos, o jovem deve estar pelo menos no 2.º ano do ensino médio convencional. Haverá um processo seletivo específico para o centro. O curso terá três anos de duração - segundo o projeto, o último deles poderá ser feito concomitantemente com o 1.º ano de um curso superior tecnológico, também oferecido no local. Essa modalidade de nível superior - voltada para o mercado e com duração entre dois e três anos - tem crescido no País nos últimos anos. São atualmente 287 mil alunos, 355% a mais do que no ano 2000. A maior parte está em instituições privadas. Com a nova unidade, a Unesp será a primeira entre as universidades públicas paulistas e oferecer formação tecnológica superior. A previsão é de haver cursos em áreas como Design, Gestão, Negócios, Infra-estrutura, Lazer, Saúde e Comunicação. Cursos de ensino médio técnico também aumentam no País a cada ano. Segundo números mais recentes do Ministério da Educação (MEC), existem cerca de 3.200 estabelecimentos que oferecem esse nível de ensino. São 747 mil alunos, 20% deles estudando em escolas estaduais. Estudantes de colégios técnicos costumam ter desempenho melhor em exames nacionais do que os que cursam o ensino público regular. A Unesp já oferece cursos técnicos em Bauru, Guaratinguetá e Jaboticabal - a concorrência nos vestibulinhos passa dos nove candidatos por vaga. O projeto na zona leste prevê também Educação de Jovens e Adultos (EJA), o antigo supletivo, cursos de pós-graduação e especialização, capacitação de professores, cursinhos pré-vestibular e atividades de arte, teatro e música. "Se der certo, o centro pode ser reproduzido em outros locais da cidade", diz o reitor.O interesse na oferta pública de educação na zona leste de São Paulo - que tem cerca de 4 milhões de habitantes - começou em 2001 quando a Universidade de São Paulo (USP) iniciou seu projeto de criação de um campus no local. Na época, a região tinha dezenas de universidades privadas e nenhuma pública. A USP Leste entra em seu quarto ano de funcionamento em 2008, com cerca de 4 mil alunos. Uma Faculdade de Tecnologia (Fatec) também foi construída pelo governo estadual na região.