Tupi pode emitir até 3,3 bi de t de CO2

Herton Escobar - O Estado de S.Paulo

Cálculo considera a produção de 8 bilhões de barris; por ano, emissão de carbono no Brasil é de 1,5 bilhão de t

As reservas de petróleo do mundo estão longe de secar. Mas não é preciso esperar tanto. Segundo estudo publicado neste mês na revista Nature, se o mundo quiser manter o aumento da temperatura do planeta abaixo de 2°C, não poderá queimar mais do que um quarto das reservas já disponíveis de combustíveis fósseis (óleo, carvão e gás) até 2050. Esse é o limite de aquecimento global considerado minimamente "seguro" pela comunidade científica. "Temos petróleo demais, muito além do que podemos nos dar ao luxo de queimar", disse o autor principal do estudo, o alemão Malte Meinshausen, do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impactos Climáticos. Os resultados adicionam outro grau de urgência à necessidade de substituir o uso de combustíveis fósseis por fontes renováveis de energia, que não acrescentam carbono à atmosfera - tal como solar, eólica e biocombustíveis. Nesse cenário de temperatura elevada e carbono em excesso, o entusiasmo brasileiro sobre as descobertas de petróleo no pré-sal - assim como os bilhões de reais que precisarão ser gastos para retirá-lo do fundo do mar - parece ir na contramão dos esforços nacional e internacional de combate ao aquecimento global. "Qualquer exploração de novas reservas certamente vai acrescentar mais carbono à atmosfera", diz Meinshausen. Só as reservas do campo de Tupi - um dos vários que estão sendo descobertos na camada de pré-sal da Bacia de Santos - são estimados pela Petrobrás entre 5 bilhões e 8 bilhões de barris de petróleo. Se todo esse óleo for recuperado, transformado em combustível e queimado, isso resultará na emissão de, pelo menos, 2,1 bilhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera, segundo cálculo feito por especialistas a pedido do Estado. Isso equivale, aproximadamente, ao que o Brasil emite hoje em um ano - incluindo as emissões do setor energético, de transportes, do desmatamento da Amazônia. No caso dos 8 bilhões de barris, esse volume aumentaria para 3,3 bilhões de toneladas de CO2. Um segundo reservatório descoberto no pré-sal e considerado comercialmente viável é o campo de Iara, com reserva estimada em até 4 bilhões de barris - mais 1,7 bilhão de toneladas de CO2 em emissões potenciais. As contas foram feitas pelos especialistas Roberto Schaeffer, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio (UFRJ), e Luiz Alberto Horta Nogueira, professor do Instituto de Recursos Naturais da Universidade Federal de Itajubá. Cada barril de petróleo queimado emite entre 420 e 440 quilos de CO2 - sem contar o carbono emitido ao longo da cadeia produtiva, nos processos de extração, transporte, refino e distribuição. A comparação com as emissões totais do País é baseada em estimativa preliminar, já que o novo inventário oficial só deve ficar pronto no fim do ano. Pelos números do inventário atual (de 1994), o Brasil emite por ano cerca de 1,5 bilhão de toneladas de CO2 equivalente (conta que inclui emissões de dois outros gases do efeito estufa: metano e óxido nitroso). Quanto desse carbono que está embutido no petróleo será emitido de fato para a atmosfera dependerá de como as reservas do pré-sal serão utilizadas - algo ainda não definido. Falta saber quanto do óleo será transformado em combustível (gasolina ou diesel) e quanto será usado na fabricação de petroquímicos (como plástico), que mantêm o carbono "aprisionado" no produto. Em média, no mundo, 90% do petróleo é queimado e 10%, vira petroquímicos. "No Brasil é possível que essa proporção seja maior, pois há muita demanda por petroquímicos", avalia Alexandre Szklo, colega de Schaeffer na Coppe-UFRJ. Outro fator é a qualidade do petróleo do pré-sal. Por ser um óleo de peso médio a leve, a quantidade de energia necessária para recuperá-lo tende a ser menor do que para óleos mais pesados, como é o caso de boa parte do óleo produzido e exportado hoje no Brasil. Menos energia consumida significa menos emissões. "Se usarmos o óleo do pré-sal para refino, poderemos até ter um benefício em termos de emissões", avalia Szklo. Ele ressalta que o que faz a emissão crescer é o aumento da demanda, não da oferta. "A demanda existe. Sem o pré-sal, ou teríamos de importar mais óleo ou usar um de pior qualidade." Procurada, a Petrobrás não se manifestou.