Superidosos... em todos os sentidos

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

?Por favor, me respeite, tenho mais idade e experiência do que você?. Nos próximos anos, não vai ser difícil ouvir um senhor de 80 dizendo essa para o amigo ?molecão? de 65. Eles fazem parte do grupo dos super idosos, no qual estão as pessoas com mais de 75 anos de idade.?A classificação, que em inglês recebe o nome de ?old old?, surgiu para facilitar o atendimento na área da saúde e ficou mais popular com o processo de envelhecimento pelo qual o mundo passa?, explica a geriatra Patricia Amante, do Hospital do Coração (Hcor). Os superidosos merecem a atenção - da família, dos médicos e do sistema de saúde - porque, quanto mais idosa a pessoa é, maiores as chances de desenvolvimento de doenças crônicas. Alzheimer, doenças de Parkinson, hipertensão, diabetes e neoplasias já estão entre as maiores causas de morte nos países desenvolvidos. E, aqui no Brasil, elas ficam cada vez mais populares.Geriatra do Projeto Age, Giulianna Forte diz que o grande medo dos idosos é a dependência. ?Eles temem perder a autonomia mais do que a morte?, diz. Contra esse fantasma, especialistas indicam a prevenção, embora muitas doenças degenerativas, como o Alzheimer e o Parkinson, não possam ser evitadas.Pesquisas recentes, no entanto, vêm ligando uma vida intelectual ativa à diminuição do risco destas doenças. Atividades como palavra cruzada, artesanato, aulas de língua estrangeira ou música e dança de salão ajudariam o cérebro a se manter alerta.Cento e um anos completados no dia 17, Clara (nome fictício) acha que o segredo para uma melhor idade que faça jus à expressão é o trabalho. ?Sempre tive um objetivo na vida?, diz ela. O único problema que ela carrega é uma dor na perna, por causa de uma prótese no fêmur. Fora isso, adora sair para andar (usa uma bengala de vez em quando), ir à festas e visitar amigos. E adora passar seu otimismo para os outros. Nutrição também é algo que muda para o pessoal VIP da melhor idade. A alimentação fracionada faz bem à qualquer pessoa, independentemente da idade. Mas os superidosos devem seguir esta recomendação à risca. ?Eles respondem mal a grandes volumes de alimentos e, por isso, precisam de refeições mais fracionadas?, diz o nutrólogo e cardiologista Daniel Magnoni, do Hospital do Coração (Hcor). Esse grupo também deve evitar alimentos que fermentam, coisas ácidas, condimentadas e açúcares. Bons para qualquer idade, legumes, frutas e verduras estão liberados. ?Todos devem consultar o nutrólogo ou geriatra para saber o que comer, mas a alimentação, para esta faixa etária, fica em torno de 30 a 50 calorias diárias por quilo (do peso da pessoa)?, diz Magnoni.Outro ponto importante é que as recomendações sejam seguidas com vontade, para que o idoso consiga levá-las adiante por um tempo considerável. O ideal é que, como o netinho de menos de um ano de idade, ele faça as coisas por prazer.